Angela Merkel não descarta resposta militar à Síria

A chanceler alemã assegurou esta quarta-feira que não descarta qualquer resposta, mesmo militar, perante a possibilidade de uma violação pelo governo da Síria da convenção contra o uso de armas químicas no ataque a Idleb, último bastião rebelde.

A chanceler alemã assegurou esta quarta-feira que não descarta qualquer resposta, mesmo militar, perante a possibilidade de uma violação pelo governo da Síria da convenção contra o uso de armas químicas no ataque a Idleb, último bastião rebelde.

“Dizer ‘não’ a priori, independentemente do que acontece no Mundo, também não pode ser a resposta da Alemanha”, disse Merkel numa referência à Síria no seu discurso no plenário do Bundestag (câmara baixa) no debate sobre o Orçamento para 2019.

De acordo com a chanceler, a Alemanha não pode simplesmente “ficar de lado” quando “uma convenção internacional não é respeitada”.

No entanto, Angela Merkel destacou que “qualquer decisão a adotar cumprirá a Constituição alemã e será decidida no Bundestag”.

“Para garantir a paz, precisamos de novos instrumentos”, argumentou por sua vez o ministro das Relações Exteriores.

Merkel enfatizou que o seu governo prioriza “esforços políticos” em relação a intervenções militares, e é por isso que é um membro do “pequeno grupo” que tenta trazer todos os partidos sírios para a mesa de negociações.

A ofensiva do exército sírio, leal ao presidente Bashar al-Assad contra o Idleb, está a causar grande preocupação na comunidade internacional devido à possibilidade de ter recorrido, como no passado, a armas químicas.

Os Estados Unidos pediram à Alemanha a sua participação numa possível resposta ao governo sírio e, em Berlim, diferentes possibilidades estão a ser discutidas, com parte da oposição totalmente contrária a uma intervenção militar.

Ler mais
Recomendadas

Comediante ganha as eleições na Ucrânia

Presidenciais na Ucrânia. Primeiros resultados dão vitória a Volodymyr Zelensky. As sondagens dão vitória ao comediante com 73,1%. Petro Poroshenko obteve 25,3%, avança o Euronews.

Rachida dati: Ex-ministra quer tornar Paris de direita outra vez

Eurodeputada prepara autárquicas de 2020 com o objetivo de pôr fim a um jejum de quase 20 anos no centro-direita. Para isso terá que derrotar a socialista Anne Hidalgo, outra filha de imigrantes.

Árabes anunciam apoio financeiro de 2,7 mil milhões de euros para o Sudão

O apoio financeiro assume a forma de depósito de 500 milhões de dólares (445 milhões de euros) ao banco central sudanês e 2,5 mil milhões de dólares (2,2 mil milhões de euros) destinados a financiar as necessidades do povo sudanês em produtos alimentares, medicamentos e produtos petrolíferos, indicou a agência sudanesa oficial SPA, citada pela France Press, sem especificar se se trata de doações ou empréstimos.
Comentários