Annegret Kramp-Karrenbauer: a “mini-Merkel” que vai herdar a liderança da CDU

Annegret Kramp-Karrenbauer foi esta sexta-feira escolhida para substituir a chanceler alemã no comando dos democratas-cristãos. Saiba quem é a mulher que pode vir a ser a próxima chanceler da Alemanha e a líder política mais importante da Europa.

Annegret Kramp-Karrenbauer nasceu em 1962, no seio de uma família católica, em Saarland, o estado alemão de menor dimensão, situado no sudoeste do país. Enquanto criança, sonhava em ser parteira ou professora, mas foi a paixão pela política e direito que a levaram a ingressar na União Democrática Cristã (CDU), em 1981, com apenas 19 anos.

Depois de concluir um mestrado em ciência política na Universidade de Trier, entrou no política estadual de Saarland. A sua perspicácia e clareza discursiva foi notória e, poucos meses depois, estava a ser escolhida para aconselhar o democrata-cristão Peter Müller nas suas funções como chefe do grupo parlamentar da CDU e ministro-chefe no estado de Sarre.

Mas o Bundestag (a câmara baixa do Parlamento alemão) sempre lhe exerceu um fascínio em Annegret Kramp-Karrenbauer. Em 1998, Kramp-Karrenbauer consegue um assento no parlamento alemão, em substituição de outro deputado. Mas a vitória durou pouco e nas eleições gerais do mesmo ano acabou por perder o lugar, o que a obrigou a regressar à política regional, a casa onde já tinha sido feliz e haveria de ser ainda mais.

Entre 2000 e 2004, Kramp-Karrenbauer serviu como secretária de Estado para assuntos internos no governo de Peter Müller, no estado de Sarre. Mais tarde, foi eleita primeira-ministra do Sarre, tornando-se a primeira mulher a ocupar esse cargo em toda a Alemanha. O seu mandato enquanto primeira-ministra do Sarre terá durado de 2011 a 2018.

Durante esse período, Annegret Kramp-Karrenbauer terá apoiado as políticas de imigração da chanceler alemã e fez parte da organização da campanha eleitoral de chanceler alemã, Angela Merkel, às eleições do ano passado. Em fevereiro deste ano foi indicada por Angela Merkel para o cargo de secretária-geral da CDU. A subida à liderança dos democratas-cristãos deu-se num ápice.

Apelidada de “mini-Merkel”, Annegret Kramp-Karrenbauer foi eleita esta sexta-feira como líder do Partido da União Democrata-Cristã (CDU) na Alemanha, colocando fim a 18 anos de Angela Merkel. A candidata à liderança do partido venceu o advogado e antigo líder do grupo parlamentar dos democratas-cristãos, Friedrich Merz, na segunda ronda de votações, com 51,8% dos votos.

Annegret Kramp-Karrenbauer é politicamente mais próxima da via centrista de Merkel. A nova líder tem como prioridades a recuperação do sentimento de pertença alemão e de identificação com o partido, o reforço da segurança e o fomento de uma economia social de mercado, com menos burocracias e mais inovadora e voltada para o meio digital.

Aos 56 anos, é a quarta mulher a liderar um governo alemão. Após ter conquistado os democratas-cristãos, Annegret Kramp-Karrenbauer pode vir a tornar-se a próxima chanceler da Alemanha e a líder política mais importante da Europa.

Ler mais
Relacionadas

Annegret Kramp-Karrenbauer substitui Angela Merkel na liderança da CDU

A candidata venceu o advogado e antigo líder do grupo parlamentar dos democratas-cristãos, Friedrich Merz, na segunda ronda de votações. Com esta vitória, Annegret Kramp-Karrenbauer pode vir a tornar-se a próxima chanceler da Alemanha e a líder política mais poderoso da Europa.

PremiumCandidatos à liderança da CDU afastam-se do legado de Merkel

Às eleições internas da CDU, que decorrem este fim de semana, concorrem três projetos radicalmente diferentes para suceder à via centrista de Merkel. O resultado das votações vai ditar o futuro do partido e da Alemanha e pode afetar o projeto europeu.

CDU começa hoje a votar na sucessão de Angela Merkel

Há três candidatos à liderança da União Democrata Cristã (CDU) e o escolhido poderá mesmo vir a assumir o papel de político mais influente da Europa, papel ainda desempenhado por Merkel.
Recomendadas

Respostas Rápidas: Como é que o Reino Unido chegou à crise em que se está a afundar?

Razões históricas mas também de política interna motivam uma situação que está a extremar-se para lá das mais radicais das previsões.

Avianca Brasil avança com pedido de “recuperação judicial” por causa das dívidas

Companhia aérea brasileira, detida por Germán Efromovich (concorrente derrotado na privatização da TAP em 2015), “está sob o risco de paralisar as suas operações e de devolver aeronaves”, noticia a “Exame”.

China poderá reduzir tarifas às importações de automóveis produzidos nos EUA

Avanço nas negociações entre os EUA e a China pode reforçar as tréguas comerciais que começaram no passado dia 1 e têm um prazo de 90 dias. Ações das grandes construtoras mundiais subiram. Vendas de automóveis no mercado chinês desaceleraram no segundo semestre do ano.
Comentários