Annegret Kramp-Karrenbauer substitui Angela Merkel na liderança da CDU

A candidata venceu o advogado e antigo líder do grupo parlamentar dos democratas-cristãos, Friedrich Merz, na segunda ronda de votações. Com esta vitória, Annegret Kramp-Karrenbauer pode vir a tornar-se a próxima chanceler da Alemanha e a líder política mais poderoso da Europa.

A secretária-geral da CDU, Annegret Kramp-Karrenbauer, foi escolhida esta sexta-feira para substituir Angela Merkel na União Democrata-Cristã (CDU). A candidata venceu o advogado e antigo líder do grupo parlamentar dos democratas-cristãos, Friedrich Merz, na segunda ronda de votações, com 51,8% dos votos.

Annegret Kramp-Karrenbauer, de 56 anos, é politicamente mais próxima da via centrista de Merkel. No entanto, tendo em conta o enfraquecimento político da chanceler alemã, a candidata veio subtilmente a distanciar-se de algumas decisões da chanceler alemã durante a campanha à liderança no partido, embora sem ir longe demais. “O adversário político está nas fileiras dos outros partidos”, lembrou, no primeiro debate político entre os três candidatos.

Apelidada de “mini-Merkel”, Annegret Kramp-Karrenbauer apoiou as políticas de imigração da chanceler alemã e fez parte da organização da campanha eleitoral de Merkel às eleições do ano passado. A secretária-geral da CDU traz consigo uma vasta rede de contactos entre os órgãos do partido, fruto das funções políticas que desempenha, e, embora Merkel não tenha formalizado qualquer apoio a nenhum dos três candidatos, AKK, como também é conhecida, tem a sua aprovação.

A candidata tem como prioridades a recuperação do sentimento de pertença alemão e de identificação com o partido, o reforço da segurança e o fomento de uma economia social de mercado, com menos burocracias e mais inovadora e voltada para o meio digital. A candidata tinha dito que, se perder as eleições internas, deixaria o cargo de secretária-geral do partido.

No final de outubro, a líder do governo alemão anunciou a intenção de não se recandidatar à liderança do partido. Ao todo, Angela Merkel conduziu o partido durante 18 anos. Com esta vitória, a nova líder pode vir a tornar-se a próxima chanceler da Alemanha e a líder política mais poderoso da Europa.

Relacionadas

PremiumCandidatos à liderança da CDU afastam-se do legado de Merkel

Às eleições internas da CDU, que decorrem este fim de semana, concorrem três projetos radicalmente diferentes para suceder à via centrista de Merkel. O resultado das votações vai ditar o futuro do partido e da Alemanha e pode afetar o projeto europeu.
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Europeias: Timmermans diz que socialistas nunca irão aliar-se à extrema-direita

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

Candidato conservador à presidência da Comissão Europeia defende medidas migratórias mais duras

Weber, que deseja suceder a Jean-Claude Juncker na liderança do executivo comunitário, enalteceu a diversidade do continente europeu, salientando, porém, que existe um aspeto que é comum na Europa: “É baseada no cristianismo e orgulhamo-nos disso”.
Comentários