Antigos dirigentes da operadora de Fukushima declaram-se inocentes

A Greenpeace aplaudiu o início do processo contra os três antigos executivos da operadora da central japonesa TEPCO, considerando-o um “passo histórico para conseguir justiça”.

Ler mais

Os três ex-dirigentes da operadora da central japonesa de Fukushima Daiichi, acusados de não terem tomado as medidas necessárias para evitar o acidente nuclear, declararam-se esta sexta-feira inocentes e pediram desculpa no arranque do julgamento.

“Peço desculpas pelas consequências deste acidente tão sério”, afirmou Tsunehisa Katsumata, então presidente da Tokyo Electric Power (TEPCO). O ex-responsável da firma considera que “era impossível de prever” o acidente, de acordo com as declarações reproduzidas pela agência noticiosa japonesa Kyodo e citadas pela Lusa.

O julgamento em questão, que deverá prolongar-se pelo menos até ao início de 2018, procura determinar a responsabilidade dos três executivos da operadora e comprovar se teria sido possível evitar o acidente nuclear, o pior desde Chernobyl em 1986, que ainda mantém deslocadas milhares de pessoas que residiam perto da central de Fukushima.

Os três ex-dirigentes foram formalmente acusados em fevereiro de 2016 por não terem tomado as medidas necessárias ou suficientes, ainda que soubessem do risco de ocorrência de um tsunami pelo menos dois anos antes de ter acontecido. As acusações de que são alvo estão relacionadas com a morte de pessoas já doentes que viviam perto da central e foram retiradas precipitadamente da zona e acabaram por falecer.

No tribunal distrital de Tóquio estão a ser julgados ainda os ex-vice-presidentes da TEPCO Sakae Muto e Ichiro Takekuro, que também pediram desculpas e declararam entender que não deviam ser responsabilizados criminalmente porque não podiam antecipar o desastre.

A Greenpeace aplaudiu o início do processo contra os três antigos executivos da TEPCO, considerando-o um “passo histórico para conseguir justiça” para os sobreviventes do desastre nuclear.

Relacionadas
Cápsula do tempo: A tragédia de Chernobyl
Há 31 anos, a antiga União Soviética acordou para aquele que se tornaria o pior desastre nuclear da história da humanidade.
Recomendadas
Sporting: “Não podemos desistir da ‘guerra’ jurídica”, garante Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho e Alexandre Godinho consideram-se “juridicamente vinculados a impugnar todos os actos que decorram ou sejam tomados na sequência das ilegalidades cometidas”.
Joana Marques Vidal deverá continuar na PGR
O semanário “Expresso” revela que falta apenas ouvir os partidos com assento parlamentar. António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa já terão combinado a data e a forma de anunciar a recondução.
PGR de Angola admite investigar denúncias do ex-presidente da comissão executiva do BESA
Segundo o magistrado Hélder Pitta Grós, ainda não há registo de nenhuma denúncia formal sobre as revelações de Álvaro Sobrinho, em entrevista à Televisão Pública de Angola, que dão conta de que o banco faliu por uma decisão política dos acionistas do banco e não por insolvência.
Comentários