António Costa acha que OIT foi “decisiva” para abandonar “projeto incoerente de austeridade expansionista”

O primeiro-ministro português defendeu esta quarta-feira, na 108º reunião da Organização Internacional do Trabalho, a estratégia do seu Governo para contrariar a “austeridade expansionista” dos tempos de crise tendo como base os dados fornecidos por esta instituição.

O primeiro-ministro português, António Costa, defendeu esta quarta-feira, na 108º reunião da Organização Internacional do Trabalho, a estratégia do seu Governo para contrariar a “austeridade expansionista” dos tempos de crise tendo como base os dados fornecidos por esta instituição.

“Por exemplo, a ideia de que Portugal tinha um mercado laboral excessivamente rígido e que, por isso, o aumento da produtividade exigia a flexibilização das leis laborais foi uma das noções que pudemos contrariar, com base nesses estudos comparativos [da Organização Internacional do Trabalho”, afirmou António Costa, falando no plenário da 108º reunião da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

E, segundo o chefe do Governo português, não foi a única noção revertida pelo seu executivo. “O Governo português assumiu, desde o primeiro momento, a necessidade de abandonar o projeto incoerente de austeridade expansionista a que o país foi sujeito durante a crise. Pelo contrário, investimos numa estratégia para a economia e para o emprego”, acentuou.

“Durante os anos mais difíceis da crise económica e financeira que nos atingiu, a OIT foi decisiva, por trazer para o debate dados e estudos que ampliaram o nosso conhecimento sobre o mercado de trabalho português”, reforçou.

António Costa indicou ainda que “uma estratégia de crescimento sustentável não pode passar pela desvalorização do trabalho” e que “o trabalho será sempre trabalho com direitos”, gerando emprego e riqueza, assim como uma “sociedade mais justa, solidária e inclusiva”.

Esta reunião acontece anualmente em Genebra e junta membros de vários governos do Mundo, deputados, representantes sindicais e do patronato entre dia 11 e 21 de junho, em Genebra, na Suiça. A reunião deste ano, com o tema “O Futuro do Trabalho, coincidiu com o 100º aniversário desta instituição.

Sobre o futuro do trabalho, Costa também fez algumas considerações, nomeadamente sobre a importância da separação entre o trabalho e a vida pessoal. “Este é também o momento de refletir sobre a necessidade de alargar o controlo sobre os tempos da nossa vida, garantindo equilíbrios justos e sustentáveis entre trabalho e vida pessoal e entre quem tem e quem não tem trabalho”, considerou ainda.

O primeiro-ministro começou o dia em Genebra com uma visita a António Vitorino, diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM), seguido por uma reunião com o diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho, Guy Ryder.

Ler mais
Recomendadas

PS: Chumbo de lista encabeçada por Ana Mendes Godinho na Guarda faz primeira baixa

Lista foi chumbada por um voto na reunião da Comissão Política Distrital do PS. Presidente da Federação Socialista da Guarda, Pedro Fonseca, diz que irá apresentar a demissão.

CGTP considera possível aumento salarial de mais de mil euros

A CGTP considera possível um aumento salarial superior a mil euros por trabalhador, em média, e vai usar essa perspetiva para defender o aumento generalizado dos salários junto dos partidos com representação parlamentar, a partir de hoje.

Se formar Governo, CDU promete reabrir escolas, hospitais e balcões da CGD e correios

Se conseguir formar Governo, após as eleições de outubro, a Coligação Democrática Unitária (CDU) compromete-se a reabrir, de imediato, serviços públicos encerrados, como estações de correios, balcões da CGD, unidades de saúde e escolas, na próxima legislatura.
Comentários