António Costa agradece a especialistas por “mapear decisões para o desconfinamento e para monitorização futura”

O primeiro-ministro agradeceu aos especialistas as contribuições desta segunda-feira no Infarmed, considerando que contribuem “para uma decisão política mais sustentada”.

O primeiro-ministro, António Costa, agradeceu aos especislistas do Infarmed, esta segunda-feira, através das redes sociais por mapearem “decisões para o desconfinamento e para monitorização futura”.

“Foi apresentado no Infarmed um conjunto de critérios e uma base científica mais sólida que permitirá mapear decisões para o desconfinamento e para monitorização futura. Agradeço aos especialistas o trabalho realizado, contribuindo para uma decisão política mais sustentada”, escreveu António Costa no Twitter depois de reunião com os especialistas, Governo e partidos com representação no Parlamento.

O diferentes especialistas apresentaram sugestões para o desconfinamento e todos concordaram que este plano deveria ser estruturado consoantes cinco fases diferentes. O esquema proposto por Henrique de Barros, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), por exemplo, passa por cinco grupos de medidas, indo das individuais às mais gravosas. O plano de Raquel Duarte, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, também sugeriu 5 fases, e prevê que “até ao nível dois haja restrição de funcionamento ou de horário de funcionamento”, sendo que atualmente o país prepara-se para passar ao nível quatro.

As propostas foram apresentadas, tal como dados relativamente à progressão da Covid-19. A informação revelada pelo Infarmed indica que Portugal tem renovado a tendência de redução no número de novos casos de Covid-19 com uma incidência de 141 casos por 100 mil habitantes, segundo André Peralta Santos da Direção-Geral da Saúde (DGS) . Os casos reduzem, mas a mobilidade aumenta, como explicou o especialista Baltazar Nunes da Escola Nacional de Saúde Pública que apontou que o país atualmente conta com uma redução de menos de 58% na mobilidade, quando antes era de 62%.

Perante os dados apresentados e sugestões de planos de desconfinamento, os partidos, na sua maioria, concordaram que estava na altura de planear o alivio das restrições. “Penso que o Governo e todos nós podemos começar a pensar em desconfinar”, referiu Maria António Almeida Santos, do Partido Socialista sublinhando que “a situação epidemiológica do país está em franca melhoria.

João Cotrim Figueiredo, presidente da Iniciativa Liberal, acredita que “Portugal está a reagir atrasado ao desconfinamento que tem de acontecer”. Por sua vez, Moisés Ferreira, do Bloco de Esquerda, disse que o Governo tem “desperdiçado tempo” ao não planear o confinamento.

O aumento da testagem foi defendida por Moisés Ferreira, mas também por Ricardo Baptista Leite, do PSD. “Toda a população deveria poder fazer um teste semanal rápido gratuito”, afirmou Ricardo Baptista Leite. O PEV e PAN falaram na importância da reabertura das escolas e da comunicação no desconfinamento, enquanto André Ventura, presidente do Chega, propôs um plano de desconfinamento feito em duas fases, ao contrário das cinco fases sugeridas pelos especialistas do Infarmed.

Ler mais
Relacionadas

Portugal com oito concelhos em risco muito elevado e nenhum em risco extremo (com áudio)

Portugal tem oito concelhos em risco muito elevado de infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 e nenhum em risco extremo, segundo dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) hoje divulgados.

Chega defende plano de desconfinamento em duas fases

André Ventura considerou não ser “sustentável manter o país neste estado durante muito mais tempo” e recordou que “sexta-feira tivemos um índice, uma percentagem de pessoas na rua semelhante ao tempo pré covid”.

“Toda a população deveria poder fazer um teste semanal rápido gratuito”, defende Ricardo Baptista Leite

O deputado social-democrata reiterou a importância da testagem, rastreamento e isolamento, deixando alguns reparos aos dois primeiros mecanismos em Portugal. Quanto à reabertura da economia, o tempo entre o anúncio e o efetivo desconfinamento parece curto, sendo que faltam ainda apoios aos sectores mais afetados e que “são os últimos a abrir e os primeiros a fechar”.

Iniciativa Liberal: “Portugal está a reagir atrasado ao desconfinamento que tem de acontecer”

Cotrim Figueiredo mostrou-se descontente pelo facto da reunião do Infarmed estar a acontecer na semana em que António Costa se comprometeu a divulgar o plano de desconfinamento após Portugal ser fortemente afetado pela terceira vaga pandémica.
Recomendadas

PSD alerta para “lacunas” do Programa de Estabilidade sobre investimentos e medidas sociais

Os social-democratas entendem que o Programa de Estabilidade do Governo é “omisso” e “completamente cego” no que toca a apoios sociais e investimento público. Alertam ainda que “os riscos de não realização do Programa de Estabilidade 2021-2025 são excecionalmente elevados e importa garantir a sua mitigação”.

PremiumPartidos unem-se para criminalizar enriquecimento ilícito

Maioria no Parlamento quer criminalizar enriquecimento injustificado. PS e CDS-PP, que travaram medida anteriormente, vão apresentar propostas.

UE/Presidência: Portugal “empenhado em valorizar” parceria “decisiva” UE-África

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, assegurou esta sexta-feira que Portugal continuará “muito empenhado em valorizar a parceria entre União Europeia e África”, considerando-a “decisiva” para o crescimento sustentável de ambos os continentes.
Comentários