António Costa no congresso do PS: “Não meti os papéis para a reforma”

“É muito gratificante ver que podemos olhar para o nosso futuro com enorme tranquilidade e satisfação, porque vemos lá, no futuro, a aproximar-se uma nova geração com um enorme potencial”, disse Costa, sobre a sua sucessão, no encerramento do congresso do Partido Socialista.

Ler mais

“Anuncio desde já que não meti os papéis para a reforma”, avisou hoje, António Costa, na fase final do seu discurso de encerramento do congresso do Partido Socialista, que terminou domingo, 27 de maio, na Batalha.

O secretário-geral do PS acentuou essa decisão quando falava da sucessão no partido: “É muito gratificante ver que podemos olhar para o nosso futuro com enorme tranquilidade e satisfação, porque vemos lá, no futuro, a aproximar-se uma nova geração com um enorme potencial, com uma enorme qualidade política, uma enorme qualidade técnica, uma enorme preparação profissional e política, para poderem seguir com a bandeira do PS em punho e levarem-no para a frente ao longo de todo este século”.

Entre outros temas, como a eutanásia, o congresso do PS foi marcado pela discussão em torno dos potenciais sucessores à liderança, como Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, um dos mais ovacionados na reunião magna dos socialistas.

Ana Catarina Mendes e Fernando Media são outros dos mais falados para concorrerem a ma próxima liderança socialista após a saída de António Costa do atual cargo de secretário-geral do PS.

Mais salário e retorno dos jovens emigrantes

O primeiro-ministro António Costa, falando na qualidade de secretário-geral do PS, garantiu que, “no próximo ano, chegaremos aos 600 euros de salário mínimo nacional, que está previsto no programa do Governo”.

Mas foi mais longe e assumiu que “o problema não se coloca só ao nível do salário mínimo nacional”.

“O conjunto dos salários tem de convergir para a meta europeia”, defendeu António Costa, sublinhando que “essa tem de ser a ambição coletiva do nosso país”.

O secretário-geral do PS anunciou ainda que, “para o Ps, uma das principais prioridades para o próximo Orçamento de Estado será adotar um programa que fomente o regresso dos jovens que partiram sem vontade partir e que querem, e têm de ter, a liberdade de poder voltar a viver entre nós”.

“Essa é, seguramente, a principal, uma das principais prioridades do próximo Orçamento de Estado do PS”, garantiu António Costa.

Relacionadas

Marcelo apoia medida para fomentar regresso de jovens emigrantes

Presidente da República considera que este é um exemplo de medidas e decisões boas para os portugueses, “os que estão cá dento e os que estão lá fora”.

António Costa quer subir salários e o regresso de jovens emigrantes

O primeiro-ministro anunciou que o próximo Orçamento de Estado vai estabelecer um programa para fomentar o regresso dos jovens que emigraram do país.

António Costa no congresso do PS: “não meti os papéis para a reforma”

Entre outros temas, como a eutanásia, o congresso do PS foi marcado pela discussão em torno dos potenciais sucessores à liderança, como Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, um dos mais ovacionados na reunião magna dos socialistas.

Catarina Martins diz que PS está “convertido” a medidas negociadas à esquerda

“O Partido Socialista parece hoje convertido, como sendo boas medidas, a medidas que não quis e que foi preciso fazer negociação à esquerda para elas serem possíveis, como a atualização das pensões ou a subida do salário mínimo”, afirmou Catarina Martins em declarações aos jornalistas à margem de uma visita às festas do Senhor de Matosinhos.

Mário Centeno destaca vontade do PS de estar no centro da construção europeia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, considerou hoje que o 22.º Congresso do PS reafirmou a vontade do partido de “estar no centro da construção europeia” e “virou a página” de políticas anteriores.

Congresso do PS: Lista de Costa para a Comissão Nacional obtém 86,6% dos votos

A lista do líder do PS, António Costa, para a Comissão Nacional deste partido, encabeçada pela secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes, obteve hoje 86,6% dos votos, contra 11% conseguidos pela lista encabeçada por Daniel Adrião.
Recomendadas

Ministro da Economia pela primeira vez no Modtissimo

Manuel Caldeira Cabral vai estar no mais antigo certame ibérico do setor, que este ano espera mais de 400 compradores internacionais.

Autoestradas nacionais: uma rede a funcionar ao contrário

Um estudo da Associação Comercial do Porto afirma que a rede é ineficiente, cara e não serve os propósitos da sua criação. O Governo parece estar de acordo.

Nuno Amado: “Taxas de juro do crédito no último ano demonstram que a concorrência foi normalizada em Portugal”

Em entrevista ao jornal “Público” o agora presidente não executivo do BCP fala das mudanças no banco e também da exposição que os bancos portugueses tiveram no mercado internacional.
Comentários