António Costa reúne-se hoje com os parceiros sociais

O secretário-geral do PS reúne-se hoje com os parceiros sociais na sede do partido, em Lisboa, após a ronda que fez com as forças parlamentares de esquerda (BE, PCP, PEV e Livre) e com o PAN.

António Costa começará por receber as confederações patronais em conjunto (CIP, CAP, CCP e CTP), reunindo-se de seguida com uma delegação da CGTP e depois com a UGT.

Na terça-feira, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, indigitou António Costa como primeiro-ministro, depois de ouvir os dez partidos com representação parlamentar sobre a formação do novo Governo.

“Procederei na quinta-feira a encontros com todos os parceiros sociais, tendo em vista ouvir a sua opinião sobre a próxima legislatura”, declarou António Costa no final da reunião com o chefe de Estado.

Na altura, António Costa disse aos jornalistas esperar que “se reúnam as condições necessárias, não só para que o Governo se possa formar, apresentar perante a Assembleia da República e iniciar funções, mas também possa governar com estabilidade no horizonte da legislatura”.

Na segunda-feira, um dia após as eleições legislativas que deram a vitória ao Partido Socialista, a CGTP considerou que “não foi por acaso” que o PS não teve maioria absoluta no domingo e que isso se deveu à insistência numa “política laboral que dá sequência à da direita”.

Em declarações aos jornalistas, no final da reunião da Comissão Executiva da CGTP-IN, em Lisboa, o secretário-geral, Arménio Carlos, considerou que o voto dos portugueses determinou a existência uma “correlação de forças na Assembleia da República que, independentemente de algumas alterações, continua a permitir que se possa avançar na resposta concreta aos problemas dos trabalhadores”.

Já o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, felicitou na segunda-feira António Costa e o PS pela vitória nas legislativas e pediu melhores salários, defendendo que é preciso estimular a economia através do consumo e sem obsessão com as contas públicas.

“É importante estimular a economia, e é importante estimular a economia também através do consumo. Os trabalhadores precisam de melhores rendimentos […]. Não me canso de dizer, em nome da UGT, [que é preciso] melhores salários”, afirmou Carlos Silva, numa mensagem divulgada no Youtube.

O PS venceu as legislativas de domingo, sem maioria absoluta, seguindo-se PSD, BE, CDU (PCP/PEV), CDS-PP e PAN.

Chega, Iniciativa Liberal e Livre elegeram, cada um, pela primeira vez, um deputado nestas eleições.

Ler mais
Relacionadas

António Costa diz que conversações com Bloco de Esquerda serão avaliadas na próxima semana

Primeiro-ministro indigitado diz confiar na “vontade de estabilidade política” dos antigos parceiros e aponta 21 ou 22 de outubro como data de constituição do próximo Governo.

“O PCP tem o seu próprio programa”. Jerónimo de Sousa rejeita acordo escrito com o PS

“Há quatro anos foi exigido um acordo escrito por parte do Presidente da República”. Jerónimo de Sousa realçou que o quadro não é esse e que não há nenhum obstáculo à formação de um governo socialista.

Costa aceita “não” do PCP a acordo escrito e diz que não terá parceiros de esquerda preferenciais

“Respeitamos os partidos que entendem que é útil que haja acordo escrito [Bloco de Esquerda] e também os partidos que entendem que não é útil que haja acordo escrito [PCP]. Não trabalharemos preferencialmente com nenhum dos partidos com quem temos contactos ao longo do dia de hoje”, declarou António Costa no final de hora e meia de reunião na sede do PCP.
Recomendadas

Dia internacional da gaguez: “Vou passar o dia a gaguejar em modo comemoração”, diz Joacine Katar Moreira

A deputada eleita pelo Livre colocou a gaguez na ordem do dia em Portugal. O seu partido vai pedir ao Parlamento para conceder tolerância de tempo à deputada, invocando um “tratamento igualitário e igualdade de oportunidades” para expor as suas ideias.

Tribunal Constitucional rejeita pedido do PSD sobre votos nulos da emigração

A tomada de posse da Assembleia da República e do Governo pode acontecer ainda esta semana.

Negrão diz que Rio como líder do partido e da bancada é “boa solução a curto prazo”

O líder parlamentar cessante considera que a decisão do atual presidente do PSD, Rui Rio, em acumular a liderança do partido com a do grupo parlamentar não é uma boa solução a longo prazo, mas vai permitir uma oposição “acutilante” no curto prazo.
Comentários