António Costa: “Se tivermos 1.200 grupos como a Delta economia vai crescer acima da média europeia”

“Se há condição essencial para que as empresas possam continuar a investir é continuar a ter confiança no presente e boas perspectivas de confiança no futuro”, sublinhou o primeiro-ministro face aos resultados do INE que sugerem uma aceleração da economia nacional.

O primeiro-ministro aproveitou, esta quarta-feira, o momento em que congratulava a nova estratégia sustentável do Grupo Nabeiro para destacar os resultados positivos da economia portuguesa no primeiro trimestre deste ano, divulgados esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No momento em que congratulava a Delta Cafés, o primeiro-ministro destacou o papel do grupo na dinamização da economia portuguesa rematando em tom divertido que “quando temos um Nabeiro, não precisamos de nenhum Clooney”.

“Foi o grande aumento do investimento neste primeiro trimestre deste ano que, ao contrário de várias previsões económicas, que permitiu ao INE hoje revelar que a economia portuguesa acelerou voltando a crescer acima da média da zona euro e acima da média da União Europeia”, disse o primeiro-ministro na sessão de apresentação da estratégia global de sustentabilidade do Grupo Nabeiro – Delta Cafés, que decorreu hoje na Estufa Fria, em Lisboa.

A economia nacional acelerou nos primeiros três meses do ano face ao último trimestre de 2018, impulsionado pela procura interna. Segundo o INE, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,8% em em termos homólogos, que compara com os 1,7% registados no ano passado. Um desempenho que contrariou as previsões económicas, destacou Costa.

“E o que permitiu a economia portuguesa acelerar é o investimento que as empresas estão a fazer”, prosseguiu António Costa, na sua intervenção. “Felizmente, a Delta não está só neste país, há outras empresas que também acreditam e confiam no futuro e estão a investir”, afirmou o primeiro-ministro, acrescentando: “Se há condição essencial para que as empresas possam continuar a investir é continuar a ter confiança no presente e boas perspetivas de confiança no futuro”.

Rui Miguel Nabeiro, CEO da Delta Cafés anunciou que a empresa está a desenvolver novas cápsulas 100% orgânicas e sustentáveis, que estão agendadas para dar entrada no mercado durante o segundo trimestre de 2019. António Costa destacou o papel do grupo Nabeiro na dinamização da economia portuguesa e fez as contas sobre quantos “Nabeiros” seriam necessários para dinamizar a economia nacional.

“Se por cada 8.500 habitantes portugueses houver um Nabeiro basta-nos 1.200 Nabeiros para termos 1.200 grupos como a Delta”, começou por dizer.

“Se tivermos 1.200 grupos como a Delta, a nossa economia não crescerá só acima da média europeia, a nossa economia transformará mesmo este país em algo que é fundamental, extraordinário e sustentável” para a atual geração e futuras, rematou António Costa.

Delta lança cápsulas de café 100% orgânicas e biodegradáveis

 

Ler mais
Relacionadas

Centeno: Aceleração do investimento contribuiu para crescimento de 1,8% da economia

O Governo refere que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu em termos reais pelo vigésimo segundo trimestre consecutivo, à boleia da procura interna. Investimento permitiu compensar menor contributo da procura externa, sublinha.

“Entre Tantos”, há sempre um. Homenagem a Rui Nabeiro em garrafa e papel

O livro foi apenas uma parte da homenagem no jantar junto às barricas da adega. O vinho “Entre Tantos” também faz parte da surpresa que pretende homenagear o fundador da Delta Cafés, no ano em que comemorou 88 anos.
Recomendadas

PremiumPortugal atinge recorde de 24 milhões de turistas em 2019

Presidente do Turismo de Portugal acredita que o crescimento verificado no final do primeiro semestre se irá manter na segunda metade do ano.

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

PremiumIndústria 4.0: Aposta na formação é essencial para futuro da economia

Em janeiro deste ano a CIP publicou um estudo, elaborado pela McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, que apontou que a robotização e automação de alguns setores da economia poderão extinguir 1,1 milhões de postos de trabalho na próxima década.
Comentários