António Costa vai à Costa do Marfim para Cimeira UE-África

O primeiro-ministro português vai ser um dos 83 chefes de Estado e de governo que vão debater o tema “Investir na Juventude para um futuro sustentável”, no final do mês.

Reuters

O primeiro-ministro, António Costa, vai representar o Estado português na 5ª Cimeira UE-África, que vai contar com a presença de cerca de 83 chefes de Estado e de governo, em representação de 55 países africanos e 28 países europeus, segundo informou esta terça-feira o gabinete do primeiro-ministro.

A cimeira vai acontecer nos dias 29 e 30 de novembro, em Abidjan, na Costa do Marfim, com o tema “Investir na Juventude para um futuro sustentável”. “A Cimeira é uma plataforma para o diálogo entre as nações africanas e europeias com o objetivo de aprofundar as relações entre os dois continentes”, referiu o gabinete de António Costa, em comunicado.

“Portugal tem sido um forte impulsionador destas reuniões ao mais alto nível, tendo promovido a primeira cimeira UE-África, que se realizou no Cairo no ano 2000, durante a Presidência portuguesa do Conselho da União Europeia. Em 2007, também sob a égide da presidência portuguesa, Lisboa acolheu a 2ª edição destas Cimeiras”, acrescentou.

Recomendadas

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

Ata do IPDJ contraria afirmações do secretário de Estado do Desporto

Ata de reunião de 5 de maio de 2017 do conselho diretivo do IPDJ confirma acusação que recai sobre Vítor Pataco: Baganha teve de avocar o processo que o seu vice reteve por nove meses.

Decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores, diz ministro

O ministro da Saúde considera que a decisão de suspender para já a deslocalização do Infarmed para o Porto “é coerente” com o que Governo tem afirmado e foi tomada tendo em conta a vontade dos trabalhadores da instituição.
Comentários