PremiumAntónio Godinho: “A nossa lista para a Mutualista é a única que não tem arguidos”

Candidato que lidera a lista C nas eleições da Associação Mutualista Montepio Geral, que terminam esta sexta-feira, fala das prioridades e defende renovação. “Tomás Correia faz já parte do passado”, diz, em entrevista ao Jornal Económico,

Se for eleito, o que mudará na relação entre a Associação e a Caixa Económica?

A Associação é o principal acionista do banco e este é o seu principal canal de distribuição dos produtos mutualistas. Não antevemos problemas de maior nem incompatibilidades, quando os objetivos e as relações são definidos com clareza e no respeito das competências de cada equipa de gestão, com avaliação normal do grau de execução das expectativas planeadas e orçamentadas. Admitimos e preocupa-nos a excessiva concentração do ativo da Associação no grupo, em particular na CEMG.  Só depois de conhecermos a situação concreta e de falarmos com os diferentes atores, CAE da CEMG, supervisores (BdP e ASF) e Governo, ponderaremos implicações e exploraremos os caminhos possíveis, pois estaremos aptos a definir soluções. Queremos, no entanto, realçar os primados que nos regem na nossa ação: defender os interesses dos associados e o valor patrimonial da Associação. E sermos transparentes junto dos associados. O tempo da opacidade e da destruição de valor patrimonial, connosco é passado.

Que balanço faz da liderança de Tomás Correia?             

Para mim, para nós, Tomás Correia faz já parte do passado da Associação Mutualista, aconteça o que acontecer, sejam quais forem os resultados. E não é bom estar sempre a falar do passado. Todos conhecemos os processos de averiguações que estão em curso, quer por parte dos reguladores, quer por parte das autoridades judiciais. Todos conhecemos os processos que têm sido divulgados sustentadamente pela comunicação social. Não é preciso comentar mais nada. A gestão de Tomás Correia tem vindo objetivamente a causar danos à instituição, que tem perdido valor de forma acentuada, e não há maquilhagem nas contas que possa esconder isso. Mas não vou perder mais tempo com este tema, como disse, Tomás Correia faz parte do passado da AMMG. Os mutualistas e os trabalhadores do Montepio fazem parte do futuro, e é com esses portanto que temos que nos preocupar.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Recomendadas

Banco de Portugal: empréstimos concedidos pelos bancos descem 0,8% no mês de outubro

No mês de outubro os empréstimos concedidos pelos bancos a sociedades não financeiras apresentaram uma taxa de variação anual (tva) de -0,8%, comparado com os -0,3% registados em setembro.

Banco de Portugal: taxa de juro média dos novos empréstimos cresceu 2,43% em outubro

Esta percentagem representa um aumento de sete pontos base (pb) face ao mês anterior.

Governo dá mais sete meses aos intermediários de crédito

Segundo as estimativas da ACAP e da ASFAC, só 10% das empresas de crédito ao consumo tinham autorização do Banco de Portugal, tendo pedido ao Executivo um alargamento do prazo, pelo meno, até ao final de maio.
Comentários