António Godinho elogia resultado da Lista C em eleições que “não foram nem justas, nem democráticas”

“É politicamente relevante o facto de pela primeira vez a Lista A ter tido menos votos do que a soma dos votos das listas opositoras: isto quer dizer que Tomás Correia já não conta com o apoio expresso eleitoralmente da maioria dos associados da AMMG e deveria tirar consequências desse facto”, diz a Lista C que ficou em segundo lugar na corrida à Associação Mutualista.

“É verdadeiramente extraordinário, tendo em conta todas as condicionantes conhecidas do processo eleitoral, o resultado obtido pela Lista C, que ficou apenas a 6,8 pontos percentuais da lista de Tomás Correia”, diz em comunicado da lista encabeçada por António Godinho e que ficou em segundo lugar nas eleições para a Associação Mutualista ocorridas ontem.

A lista A, de Tomás Correia venceu com 43,2%; seguiu-se a lista C de António Godinho com 36,3% e em terceiro lugar ficou a lista B de Fernando Ribeiro Mendes com 20,5%.

A lista C considera no entanto que “estas eleições não foram nem justas, nem democráticas”. Entre “as várias irregularidades”, apontam o facto de “a comissão eleitoral ser composta maioritariamente por membros da Lista A, que tomou todas as decisões favoráveis à incumbente, rejeitando as propostas que visavam uma efetiva fiscalização do ato eleitoral”. Dizem ainda a “autenticação das assinaturas dos votos por correspondência não cumpre a legislação em vigor, designadamente o novo código mutualista”.

Mas “é politicamente relevante o facto de pela primeira vez a Lista A ter tido menos votos do que a soma dos votos das listas opositoras: isto quer dizer que Tomás Correia já não conta com o apoio expresso eleitoralmente da maioria dos associados da AMMG e deveria tirar consequências desse facto”, referem.

Os membros da Lista C “assumem publicamente o compromisso de, por dever de honra, continuarem a lutar pela dignificação da AMMG, pelo resgate da confiança dos associados e dos portugueses, fazendo tudo o que estiver ao seu alcance para defender a Instituição; o Montepio Geral e os seus associados merecem que esta equipa continue a lutar pelos seus interesses e pela sua dignidade”, conclui o comunicado.

Não há qualquer referência a potenciais impugnações das eleições.

 

Ler mais
Relacionadas

Tomás Correia vence corrida à Associação Mutualista Montepio Geral com 43,2%

A lista A venceu com 43,2%; seguiu-se a lista C de António Godinho com 36,3% e em terceiro lugar ficou a lista B de Fernando Ribeiro Mendes com 20,5%.

Montepio: Lista B realça que a “participação dos associados registou uma das taxas mais baixas de sempre”

Ribeiro Mendes diz que “a lista vencedora das eleições obteve maioria relativa que sinaliza a extensão do sentimento de rejeição da atual liderança, partilhado pela esmagadora maioria dos votantes”. A Lista B reconhece que obteve um resultado que ficou “abaixo das expectativas geradas pela nossa candidatura, ao receber 21% dos votos validamente expressos”.

PremiumAntónio Godinho: “A nossa lista para a Mutualista é a única que não tem arguidos”

Candidato que lidera a lista C nas eleições da Associação Mutualista Montepio Geral, que terminam esta sexta-feira, fala das prioridades e defende renovação. “Tomás Correia faz já parte do passado”, diz, em entrevista ao Jornal Económico,
Recomendadas

Calçado vegan? Sim, também já há

Uma empresa da Póvoa de Lanhoso considera que nem mesmo uma indústria tradicional como o calçado precisa de recorrer a produtos que, do ponte de vista da sustentabilidade, não fazem sentido.

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Empresas começam projetos de inovação mas não conseguem acabar mais de metade

O excesso de projetos, a falta de liderança e a ausência de processos estão a bloquear o desenvolvimento das organizações mundiais, segundo o estudo “Having a successful innovation agenda”, elaborado pela multinacional Oracle.
Comentários