António Lobo Antunes apresenta “José Cardoso Pires e o leitor desassossegado”

Nesta obra, o autor demonstra que a bibliografia de José Cardoso Pires não contém ingredientes de policiais ‘à americana’, e que, nos títulos do escritor português de “O Delfim” e “Balada da Praia dos Cães”, o leitor “é convidado a entrar na investigação”.

O escritor António Lobo Antunes e a investigadora Maria Fernanda Abreu vão apresentar, na segunda-feira, no Palácio Galveias, em Lisboa, o ensaio “José Cardoso Pires e o Leitor Desassossegado”, de Marco Neves.

Nesta obra, o autor demonstra que a bibliografia de José Cardoso Pires não contém ingredientes de policiais ‘à americana’, e que, nos títulos do escritor português de “O Delfim” e “Balada da Praia dos Cães”, o leitor “é convidado a entrar na investigação”.

“Quando de lá saímos, percebemos que nos tornámos cúmplices do próprio crime – tudo não passou de um saboroso e sofisticado jogo literário que o autor usou para caçar e desassossegar o leitor”, lê-se no o ensaio de Marco Neves, que é também ‘blogger’ e professor da Universidade Nova de Lisboa.

“Ao longo das 176 páginas, o autor calçou as luvas, pegou no bisturi e dissecou as particulares estratégias de rapto literário que, ao longo de várias gerações, têm desassossegado os leitores de José Cardoso Pires”, escreve a editora Guerra e Paz, sobre a obra.

Neste ensaio, Marco Neves desvela ainda alguns dos segredos dos “policiais à portuguesa” de José Cardoso Pires.

“O herói apaixona-se pela vilã, mas nada acontece, a conspiração derrota-se a si mesma, os veículos de fuga vão deixando pedaços pelo caminho, todos se atrapalham, num nervoso de teatro de província tentando representar, com poucos meios, uma peça estrangeira muito conhecida”.

Estes são, segundo o autor do ensaio, alguns dos segredos das obras do autor de “Dinossauro excelentíssimo”.

O lançamento deste ensaio de Marco Neves encerra o programa de homenagens a José Cardoso Pires, promovido pela Câmara Municipal de Lisboa, com a editora Relógio d’Água, ao longo dos últimos dois meses, no ano em que passam vinte anos sobre a morte do autor de “Balada da praia dos cães”.

O programa passou pelas bibliotecas municipais Palácio Galveias, Hemeroteca e Camões, uma exposição de fotografias de Eduardo Gageiro, a exibição de filmes dedicados ao escritor e à sua obra, entre os quais “Fotogramas Soltos das Lisboas de Cardoso Pires”, a partir de “Lisboa, Livro de Bordo”, a apresentação da revista Almanaque em formato digital, concebida por José Cardoso Pires.

O programa incluiu ainda itinerários literários no bairro de Alvalade, onde o escritor viveu durante um período importante da sua vida.

“O hóspede de Job”, “O anjo ancorado”, “O render dos heróis”, “Alexandra Alpha”, “A cavalo no diabo”, “De profundis, Valsa Lenta” são títulos que se destacam na obra de José Cardoso Pires.

O escritor nasceu na aldeia de S. João do Peso, em Vila de Rei, Castelo Branco, em 02 de outubro de 1925.

Morreu em Lisboa, em 26 de outubro de 1998.

Ler mais
Recomendadas

Documentário sobre diáspora portuguesa no Havai vai ter estreia nacional na Madeira

O realizador Ponta-Garça referiu também que já está a trabalhar na produção do próximo documentário, um filme mais abrangente que deverá estar pronto em 2020 e se vai debruçar sobre os portugueses em todos os Estados Unidos da América.

De Jagger a da Vinci. Cartas à mão de personalidades transformam-se em livro

Já quase não se escrevem cartas à mão, e as poucas que ainda recebemos no correio são para pagar as contas. Shaun Usher tornou conhecida a banal missiva que a rainha Elizabeth II escreveu a Dwight D. Eisenhower, presidente dos Estados em 1960. A mais surpreendente que lhe chegou às mãos foi a do cantor Iggy Pop.

Vão existir mais 22% de multimilionários até 2024

O ano de 2018 fechou com 2.229 fortunas multimilionárias, mais 8% do que no ano anterior. Amâncio Ortega lidera a lista em Espanha e é o sexto mais rico do mundo, com uma fortuna de 50,4 mil milhões de euros.
Comentários