António Mexia diz que reforçar participação na EDP Renováveis “não é prioridade”

“Em termos das participações minoritárias da EDPR, não iremos integrar nada em cash, não é uma prioridade.”, referiu o CEO. Adiantou, no entanto, é “claro que continuamos a avaliar opções, desde sejam alinhadas com a nossa equity story, avaliamos qualquer solução que faça sentido em todos os aspetos para os acionistas da EDP”.

O foco da EDP – Energias de Portugal está centrado na construção de pipeline de projetos e a empresa não considera como prioridade a possibilidade de comprar em cash os 17% que não detém na subsidiária EDP Renováveis, afirmou esta quinta o CEO da EDP, António Mexia.

Numa teleconferência com os analistas sobre os resultados de 2019 divulgados esta quinta-feira, Mexia foi questionado sobre uma assunto que já tinha sido abordado pelo Goldman Sachs numa nota de research a 7 de  janeiro: um eventual reforço na EDP Renováveis (EDPR), que tem um dos maiores portefólios eólicos do mundo e que poderia beneficiar de um eventual aumento da posição da ’empresa-mãe’.

“Em termos das participações minoritárias da EDPR, não iremos integrar nada em cash, não é uma prioridade.”, referiu o CEO. Adiantou, no entanto, qur “claro que continuamos a avaliar opções, desde sejam alinhadas com a nossa equity story, avaliamos qualquer solução que faça sentido em todos os aspetos para os acionistas de EDP”.

“Reitero que não estamos a dar prioridade a isto. Não nos importamos de ter parceiros, temos lidado bem com esses parceiros, portanto não é realmente um foco”, explicou, antes de concluir que a empresa está focado em entregar o pipeline de projetos que apresentou no Strategic Update em março do ano passado.

Relacionadas

“Estamos agora ainda mais confiantes de que vamos atingir todas as metas principais”, diz CEO da EDP

Em teleconferência com os analistas, António Mexia disse que o fecho financeiro da venda de seis barragens em Portugal irá acontecer no segundo semestre, mas adiantou que a empresa tem continuado, em paralelo, à procura de opções complementares para alienações de ativos hídricos. “Estas opções poderão ainda ser consideradas, nomeadamente em relação a outros ativos na Ibéria ou oportunidades de realinhamento de ativos no Brasil”.

Lucros da EDP descem 1% para 512 milhões em 2019

Já o lucro recorrente subiu 7% para 854 milhões de euros refletindo a subida de 13% do EBTIDA. “Foi um ano de boa performance e de boa capacidade de entrega dos compromissos que assumimos”, disse António Mexia. Operação em Portugal com resultado negativo pelo segundo ano consecutivo.

Lucros da EDP Renováveis sobem 52%. Dividendo sobe para oito cêntimos

Mais potência, mais vento, preços mais altos e impactos cambiais positivos fizeram a companhia atingir 475 milhões de euros de lucros. O dividendo da companhia vai subir este ano de sete para oito cêntimos, com o conselho de administração a propor distribuir 69,8 milhões aos seus acionistas.
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários