António Mota espera que visita de Costa a Angola desanuvie relações e garanta reforço do financiamento

O presidente da Mota-Engil, um dos mais antigos grupos portugueses a operar no mercado angolano, espera que a visita do primeiro-ministro português a Angola traga “desanuviamento político” entre os dois países.

Cristina Bernardo
Ler mais

“Desanuviamento político, desde logo, e depois disso espero que haja a assinatura do protocolo e, nomeadamente (…) um reforço da linha de financiamento para Angola, que seria bom para as empresas portuguesas que lá estão”, disse o presidente do conselho de administração da Mota-Engil, António Mota, em declarações à Lusa.  Para o empresário, o que as empresas portuguesas de muitos setores, e também do da construção, precisam é de estabilidade no mercado angolano.

Daí também a importância da visita de dois dias que António Costa realiza aquele país e que começa esta segunda-feira.  “A visita do primeiro-ministro a Angola e depois também, a confirmar-se, a do Presidente da República angolano a Portugal são positivas para os dois países. Portugal precisa do mercado angolano para muitos dos seus setores da economia e Angola sempre teve como referência o nosso país em termos de estabilidade, ligações familiares, cultura” afirma o empresário, e acrescenta: “atravessámos um período árduo”.

“Não é que não tivesse havido relações entre as empresas e os cooperantes que estão em Angola e os angolanos, mas houve algum virar de costas que, a meu ver, já está ultrapassado, e ainda bem porque tudo vai ser mais fácil”, diz o empresário. António Mota defende que é preciso “movimentos de cá para lá e de lá para cá, empresários portugueses em Angola e (…) empresários angolanos em Portugal, num relacionamento político diferente e numa transparência também diferente”, que na sua opinião “verifica-se já hoje em Angola”.

“Há mudanças substanciais em tudo o que é criticável relativamente a Angola. É altura das pessoas começarem a dizer que Angola tem tomado medidas que anulam muitas das críticas que eram feitas ao país”, considerou.
Com as mudanças que estão a ser operadas na economia angolana, muito dependente da indústria petrolífera, o presidente do Conselho de Administração da Mota-Engil diz ter esperança que desta vez se criem as condições para que haja muita indústria estabelecida em Angola, seja de portugueses ou não, e para que a agricultura passe a ter a expressão que já teve no passado.

“Muita coisa mudou em Angola ao longo do tempo e mudou para melhor. Tem havido um desenvolvimento progressivo da economia angolana, mas não foi suficiente. É preciso dar mais força a esse desenvolvimento, é preciso dar condições à população, fazendo infraestruturas, resolvendo o problema da saúde e investindo na agricultura e na industrialização”, afirmou.

Para a Mota-Engil, garante, Angola “continua a ser um mercado interessante. É um mercado onde se trabalha bem, onde as margens de rentabilidade estão bem, onde os pagamentos têm os seus períodos maus, e se demora muito tempo a receber, onde tem havido dificuldades na transferência das moedas para cá e para lá, mas tudo isto não é uma novidade, sempre foi assim nos últimos 35 anos”.

Contudo, admite que o volume de negócios do grupo este ano no México possa voltar a ser, tal como em 2017, superior ao de Angola, que até ao ano passado era o mais importante mercado a nível internacional.
O plano estratégico do Grupo Mota-Engil, em vigor até 2020, tem três pilares: África, Europa e América Latina. O objetivo traçado nesse mesmo plano é que cada uma destas regiões seja responsável por um terço do volume de negócios total do grupo.

Neste momento a região que está mais atrasada no caminho para o objetivo é a Europa, assegurou.
Em Angola, António Mota, diz que o Grupo vai continuar a investir e diversificar para outras áreas de negócio, mas não quis avançar quais. “Há muitas áreas em Angola que são interessantes”, afirmou.

Quanto a expectativas e consequências de eventuais regras impostas pelo Fundo Monetário Internacional no âmbito do programa de assistência já solicitado pelo governo angolano ao país, António Mota desdramatiza.
“Não sei se o FMI vai impor medidas, sei que o governo de Angola vai seguir medidas num setor que serão muito próximas daquelas que o FMI gosta de ver impostas. Se elas contribuírem para que a economia dê saltos qualitativos e melhore acho que tudo é positivo”, concluiu.

Angola anunciou no final de agosto que vai discutir com o Fundo Monetário Internacional (FMI) um programa de financiamento de 4.500 milhões de dólares (3.910 milhões de euros), no quadro do programa de assistência solicitada pelo Governo.

A Galp, outra das maiores empresas portuguesas a investir em Angola há décadas, quer na área da exploração e produção de petróleo, quer na da distribuição de combustíveis, não comenta a visita de António Costa a Angola, mas em resposta a questões enviadas pela Lusa por escrito, o presidente da comissão executiva, Carlos Gomes da Silva, assegura que o mercado angolano continua a ser estratégico para petrolífera e admite novos investimentos.

“Angola é, desde há décadas, uma geografia central na estratégia internacional da Galp. Aliás, foi precisamente em Angola que, em 1982, a Galp iniciou a sua atividade de exploração e produção”, afirma o gestor.
Carlos Gomes da Silva recorda também que a empresa participa hoje “no mais importante projeto em desenvolvimento no país, denominado por Kaombo, composto por duas unidades de produção de 150 mil barris diários cada uma, tendo a primeira dessas unidades iniciado produção no passado mês de Junho e devendo a segunda unidade entrar em operação já no próximo ano”.

Aprofundar a presença da empresa no país também está nos planos da petrolífera. Nas respostas por escrito enviadas à Lusa o gestor afirma: “Temos a expectativa de que a reorganização em curso do setor energético abra novas oportunidades que permitam o aprofundamento da nossa presença no país”.

Questionado sobre o anúncio feito recentemente pela petrolífera angolana Sonangol de que irá alienar participações em vários blocos petrolíferos em Angola e se isso poderia representar uma oportunidade de negócio para a empresa, bem como sobre a possibilidade de concorrer às novas licitações de blocos também anunciadas, Carlos Gomes da Silva, diz: “A Galp está atenta, e avalia todas as oportunidades suscetíveis de criar valor, em todos os mercados considerados estratégicos para a empresa, e Angola é certamente um deles”.

Sobre a presença no negócio da distribuição e comercialização de combustíveis no mercado angolano, onde a Galp está através da Sonangalp, empresa resultante de uma parceria com a Sonangol e na qual detém 49%, o gestor refere que a empresa “está a seguir uma estratégia de crescimento endógeno”, tendo aberto quatro novos postos desde o início deste ano, contando assim com uma rede de 50.

Recomendadas
Apritel lamenta “oportunidade perdida” de melhorar práticas ambientais na faturas do operadores
Na sequência da “decisão final sobre a definição do nível mínimo de detalhe e informação das faturas a assegurar aos assinantes sem quaisquer encargos” da Anacom, tornada pública a semana passada, a Apritel não pode deixar de lamentar a circunstância de ser ter perdido uma oportunidade para acompanhar a evolução do setor no sentido das melhores práticas ambientais, através da promoção e incentivo à dispensa das faturas em formato impresso, diz a associação que representa as telecoms portuguesas.
Portugal vai promover desenvolvimento da tecnologia do hidrogénio
A declaração conjunta foi assinada durante o Conselho Informal de Energia que decorreu na cidade austríaca de Linz.
Procura de quartos para estudantes aumenta em cidades fora de Lisboa e do Porto
Este aumento de procura fez-se sentir durante a semana de 8 a 14 de setembro, depois de reveladas as listas das vagas para as universidades.
Comentários