António Mota espera que visita de Costa a Angola desanuvie relações e garanta reforço do financiamento

O presidente da Mota-Engil, um dos mais antigos grupos portugueses a operar no mercado angolano, espera que a visita do primeiro-ministro português a Angola traga “desanuviamento político” entre os dois países.

Cristina Bernardo

“Desanuviamento político, desde logo, e depois disso espero que haja a assinatura do protocolo e, nomeadamente (…) um reforço da linha de financiamento para Angola, que seria bom para as empresas portuguesas que lá estão”, disse o presidente do conselho de administração da Mota-Engil, António Mota, em declarações à Lusa.  Para o empresário, o que as empresas portuguesas de muitos setores, e também do da construção, precisam é de estabilidade no mercado angolano.

Daí também a importância da visita de dois dias que António Costa realiza aquele país e que começa esta segunda-feira.  “A visita do primeiro-ministro a Angola e depois também, a confirmar-se, a do Presidente da República angolano a Portugal são positivas para os dois países. Portugal precisa do mercado angolano para muitos dos seus setores da economia e Angola sempre teve como referência o nosso país em termos de estabilidade, ligações familiares, cultura” afirma o empresário, e acrescenta: “atravessámos um período árduo”.

“Não é que não tivesse havido relações entre as empresas e os cooperantes que estão em Angola e os angolanos, mas houve algum virar de costas que, a meu ver, já está ultrapassado, e ainda bem porque tudo vai ser mais fácil”, diz o empresário. António Mota defende que é preciso “movimentos de cá para lá e de lá para cá, empresários portugueses em Angola e (…) empresários angolanos em Portugal, num relacionamento político diferente e numa transparência também diferente”, que na sua opinião “verifica-se já hoje em Angola”.

“Há mudanças substanciais em tudo o que é criticável relativamente a Angola. É altura das pessoas começarem a dizer que Angola tem tomado medidas que anulam muitas das críticas que eram feitas ao país”, considerou.
Com as mudanças que estão a ser operadas na economia angolana, muito dependente da indústria petrolífera, o presidente do Conselho de Administração da Mota-Engil diz ter esperança que desta vez se criem as condições para que haja muita indústria estabelecida em Angola, seja de portugueses ou não, e para que a agricultura passe a ter a expressão que já teve no passado.

“Muita coisa mudou em Angola ao longo do tempo e mudou para melhor. Tem havido um desenvolvimento progressivo da economia angolana, mas não foi suficiente. É preciso dar mais força a esse desenvolvimento, é preciso dar condições à população, fazendo infraestruturas, resolvendo o problema da saúde e investindo na agricultura e na industrialização”, afirmou.

Para a Mota-Engil, garante, Angola “continua a ser um mercado interessante. É um mercado onde se trabalha bem, onde as margens de rentabilidade estão bem, onde os pagamentos têm os seus períodos maus, e se demora muito tempo a receber, onde tem havido dificuldades na transferência das moedas para cá e para lá, mas tudo isto não é uma novidade, sempre foi assim nos últimos 35 anos”.

Contudo, admite que o volume de negócios do grupo este ano no México possa voltar a ser, tal como em 2017, superior ao de Angola, que até ao ano passado era o mais importante mercado a nível internacional.
O plano estratégico do Grupo Mota-Engil, em vigor até 2020, tem três pilares: África, Europa e América Latina. O objetivo traçado nesse mesmo plano é que cada uma destas regiões seja responsável por um terço do volume de negócios total do grupo.

Neste momento a região que está mais atrasada no caminho para o objetivo é a Europa, assegurou.
Em Angola, António Mota, diz que o Grupo vai continuar a investir e diversificar para outras áreas de negócio, mas não quis avançar quais. “Há muitas áreas em Angola que são interessantes”, afirmou.

Quanto a expectativas e consequências de eventuais regras impostas pelo Fundo Monetário Internacional no âmbito do programa de assistência já solicitado pelo governo angolano ao país, António Mota desdramatiza.
“Não sei se o FMI vai impor medidas, sei que o governo de Angola vai seguir medidas num setor que serão muito próximas daquelas que o FMI gosta de ver impostas. Se elas contribuírem para que a economia dê saltos qualitativos e melhore acho que tudo é positivo”, concluiu.

Angola anunciou no final de agosto que vai discutir com o Fundo Monetário Internacional (FMI) um programa de financiamento de 4.500 milhões de dólares (3.910 milhões de euros), no quadro do programa de assistência solicitada pelo Governo.

A Galp, outra das maiores empresas portuguesas a investir em Angola há décadas, quer na área da exploração e produção de petróleo, quer na da distribuição de combustíveis, não comenta a visita de António Costa a Angola, mas em resposta a questões enviadas pela Lusa por escrito, o presidente da comissão executiva, Carlos Gomes da Silva, assegura que o mercado angolano continua a ser estratégico para petrolífera e admite novos investimentos.

“Angola é, desde há décadas, uma geografia central na estratégia internacional da Galp. Aliás, foi precisamente em Angola que, em 1982, a Galp iniciou a sua atividade de exploração e produção”, afirma o gestor.
Carlos Gomes da Silva recorda também que a empresa participa hoje “no mais importante projeto em desenvolvimento no país, denominado por Kaombo, composto por duas unidades de produção de 150 mil barris diários cada uma, tendo a primeira dessas unidades iniciado produção no passado mês de Junho e devendo a segunda unidade entrar em operação já no próximo ano”.

Aprofundar a presença da empresa no país também está nos planos da petrolífera. Nas respostas por escrito enviadas à Lusa o gestor afirma: “Temos a expectativa de que a reorganização em curso do setor energético abra novas oportunidades que permitam o aprofundamento da nossa presença no país”.

Questionado sobre o anúncio feito recentemente pela petrolífera angolana Sonangol de que irá alienar participações em vários blocos petrolíferos em Angola e se isso poderia representar uma oportunidade de negócio para a empresa, bem como sobre a possibilidade de concorrer às novas licitações de blocos também anunciadas, Carlos Gomes da Silva, diz: “A Galp está atenta, e avalia todas as oportunidades suscetíveis de criar valor, em todos os mercados considerados estratégicos para a empresa, e Angola é certamente um deles”.

Sobre a presença no negócio da distribuição e comercialização de combustíveis no mercado angolano, onde a Galp está através da Sonangalp, empresa resultante de uma parceria com a Sonangol e na qual detém 49%, o gestor refere que a empresa “está a seguir uma estratégia de crescimento endógeno”, tendo aberto quatro novos postos desde o início deste ano, contando assim com uma rede de 50.

Ler mais
Recomendadas

OYAK efetiva aquisição da Cimpor

Maior fundo de pensões turco, que realiza investimentos estratégicos em setores lucrativos, confirma aquisição da Cimpor. Os ativos da Cimpor em Portugal e em Cabo Verde vão assim para a ‘mão’ dos turcos, depois de, em 2012, terem sido comprados pela empresa brasileira InterCement.

Elon Musk anuncia que vai despedir 7% dos trabalhadores da Tesla

Cerca de três mil trabalhadores da produtora automóvel norte-americana serão despedidos. O aumento de custos devido à produção do novo Model 3 é a principal razão para os despedimentos.

Caixa reduz preço do financiamento do programa Casa Eficiente

A redução de taxas traduz-se agora em spreads disponíveis a partir de 1,05%, incluindo a bonificação de 0,25% associada a esta solução da CGD.
Comentários