Ao contrário de outras ‘commodities’, petróleo mantém-se imune à guerra comercial

Relatório da Edmond de Rothschild refere que enquanto os mercados estão focados no impasse EUA-China, não devem esquecer-se no impacto das crescentes tensões no Golfo de Aden.

Ler mais

O mercado de commodities tem sido abalado pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, especialmente com os anúncios de aumentos das tarifas alfandegárias à importação de matérias-primas. Enquanto os investidores ainda tentam avaliar o potencial impacto de um conflito a nível global, o petróleo tem-se mantido imune.

“Os preços do petróleo têm sido menos sensíveis às preocupações comerciais globais e têm beneficiado de um fluxo noticioso muito positivo”, explica uma nota da gestora de ativos Edmond de Rothschild Asset Management.

A produção de petróleo nos EUA ficou praticamente inalterada em janeiro, nos 9,96 milhões de barris por dia, enquanto a procura subiu 4%. A oferta pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) foi penalizada pelos problemas na Venezuela, onde a produção diminuiu em 100.000 barris por dia em março para 1,51 milhões, limitando o total do cartel.

A Rothschild lembra ainda que a Rússia confirmou estar disponível para assinar uma extensão ou aprofundamento do atual acordo de cortes de procuração entre OPEP e outros países produtores.

Estes fatores levaram a que os preços do petróleo não tenham sofrido de forma tão intensa o sentimento negativo que tem imperado nos mercados. No último mês, o crude WTI valorizou 5,8%, negociando próximo de 64 dólares, enquanto o Brent negoceia nos 69 dólares, após um ganho de 7,9% nos últimos 30 dias.

Os analistas da gestora de ativos consideram que há ainda outros que poderão manter a tendência, explicando que “a nível geopolítico, os mercados podem estar focados no impasse EUA-China, mas devem estar cientes das crescentes tensões no Golfo de Aden”.

“O movimento Houthi, patrocinado pelo Irão, no noroeste do Iémene intensificou-se com lançamentos de mísseis na Arábia Saudita. O ataque mais recente atingiu um tanque petrolífero saudita nos estreitos de Bab-elMandeb, por onde passam cinco milhões de barris de petróleo bruto e derivados de petróleo por dia”, referiu.

Relacionadas

China tem uma arma (de 1,2 biliões de dólares) contra os EUA

Em plena guerra comercial, o facto de o gigante asiático ser detentor de uma grande montante de dívida norte-americana é uma vantagem. Para já, os mercados não parecem muito preocupados, mas caso a China use esta arma, o impacto poderá ser significativo.
Recomendadas

Galp põe PSI 20 em alta em contraciclo com queda das praças europeias

As ações da Galp foram as estrelas da sessão ao subirem 2,16% para 16,780 euros. Isto num dia em que o petróleo está a disparar no mercado de futuros. Europa fechou em queda.

Respostas Rápidas. Preço do brent dispara. Poderá atingir os 100 dólares por barril?

Por trás da subida estão três fatores: a perspetiva de uma queda na produção nos EUA, a decisão da OPEP e outros produtores de manter a oferta ao nível atual e as sanções norte-americanas ao crude iraniano.

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.
Comentários