APED considera que aumento salarial de 4,5% está desfasado da realidade

Em entrevista à Antena 1, a diretora-geral da APED, Ana Trigo Morais, acusa os sindicatos de rigidez e propõe a criação de um banco de horas específico para o setor.

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) considera que o aumento salarial de 4,5% exigido pelos trabalhadores está “muito longe da realidade”. Em entrevista à Antena 1, a diretora-geral da APED, Ana Trigo Morais, acusa os sindicatos de rigidez e propõe a criação de um banco de horas específico para o setor.

As negociações para contrato coletivo entre os sindicatos e a APED estão longe estar concluídas. Depois das greves no período de Natal, ambas as partes devem retomar negociações já esta semana. Em cima da mesa estão a revisão de salários e a criação de um novo horário de trabalho.

Os sindicatos pedem uma subida de 4,5% nos salários atuais, mas Ana Trigo Morais entende que a proposta está longe do possível e deve ser revista, porque entretanto os salários já foram revistos com a atualização do salário mínimo nacional.

“Um aumento de 4,5% é muito. Nem a economia cresce 4,5%, nem os resultados das empresas crescem 4,5%, nem a inflação. Nós achamos que isso é um valor que está muito longe daquilo que é a nossa realidade e, repito, o setor paga valores bastante acima daqueles que estão no contrato de trabalho”, afirma Ana Trigo Morais.

Nos últimos dois anos, o setor da distribuição criou 10 mil postos de trabalho, indica a diretora-geral da APED. Para 2018 e 2019, Ana Isabel Trigo Morais acredita que o crescimento “não há-de estar longe” deste valor.

Recomendadas

Multas da Via CTT vão ser devolvidas

Portal das Finanças terá novo modelo de notificações eletrónicas.

CTT investem 40 milhões de euros para modernizar distribuição do correio

Os CTT explica que o PMI estará em curso nos próximos dois anos e que ”vão reforçar a automatização da separação de correio, melhorar as condições de trabalho, reforçar a qualidade e modernizar a infraestrutura da rede de distribuição”

Fecho de estações dos CTT será “uma razia” no interior

“Estamos a falar do encerramento de todas as estações que não têm banco CTT e, em distritos com mais de vinte concelhos, ficam duas ou três estações. É destes números que estamos a falar, dessa razia por todo o território”, defendeu o dirigente bloquista Carlos Couto.
Comentários