Apple: irão os novos iPhones recuperar as quebras dos últimos meses?

O iPhone original foi lançado em 2007, mas esta é a primeira vez em sete anos que o iPhone representa menos de metade do negócio da Apple. No último trimestre fiscal, que encerrou em junho, as vendas do produto atingiram 48,3% do total.

O iPhone já foi sinónimo de sucesso no ‘reino’ da Apple. A apresentação do novo iPhone 11 está marcada para esta terça-feira, mas nos últimos anos a empresa de Tim Cook viu a venda de smartphones diminuir.

O evento do lançamento do iPhone é sempre um momento chave no calendário dos fãs de tecnologia. Tim Cook vai desvendar o novo elemento da família dos iPhones. No entanto, esta apresentação tem alguma pressão associada, pois a Apple quer inverter a quebra de vendas do ícone da empresa, ainda que tenha algum alívio associado por não dependerem tanto do produto.

O iPhone original foi lançado em 2007, mas esta é a primeira vez em sete anos que o iPhone representa menos de metade do negócio da Apple. No último trimestre fiscal, que encerrou em junho, as vendas do produto atingiram 48,3% do total. Ainda que seja um valor elevado, o número fica aquém dos 70% que alcançou em tempos.

Com a reinvenção do iPhone, a Apple está à espera de alcançar números elevados nas vendas. A seguir, a empresa vai lançar três smartphones simultaneamente para o mercado, que deverão rondar os preços dos seus antepassados, entre os 870 e 1.270 euros.

No entanto, a tecnológica da ‘maçã’ está à procura de compensar a queda nas vendas dos telemóveis com outros produtos e serviços. A receita com os acessórios da Apple, no ano passado, alcançou um total de 17 mil milhões de euros. Já no último trimestre, os dispositivos weareables, como o relógio da Apple, os AirPods sem fios e o altifalante HomePod, fizeram as vendas disparar cerca de 48% para 4.995 milhões de euros. Nos serviços, a Apple viu as receitarem aumentarem 13% para 9.196 milhões de euros, o que equivale a 21% do total de vendas.

No início do ano, a tecnológica de Cupertino anunciou o lançamento de diversos serviços, entre os quais abriu guerra à Netflix com a plataforma Apple TV+ e as estrelas de Hollywood Oprah Winfrey, Jennifer Aniston, Reese Witherspoon e Steve Carell.

Ler mais
Relacionadas

Os ‘gadgets’ mais antecipados do outono

Do Samsung Galaxy Fold ao OnePlus 7T conheça alguns dos equipamentos mais ansiados pelo mercado.

Apple superou expectativas mas iPhones voltaram a desiludir

O crescimento do segmento dos serviços, como a Apple Music, dos acessórios da marca, do iPad e do Mac apoiaram a subida de 1% nas receitas trimestrais da empresa. Os telemóveis não tiveram o mesmo desempenho: as vendas recuaram 12%, para 25,99 mil milhões de dólares.

Preço dos iPhones pode disparar e a culpa é da ‘guerra comercial’

No mercado dos EUA, as vendas de iPhones caíram 19% no primeiro trimestre de 2019, e na China essas transações quebraram 25% nos últimos seis meses. O aumento das tarifas aduaneiras pode fazer com que o preço do produto-estrela da Apple sofra um aumento que poderá afetar as vendas.

Apple: serviços geram 11,5 mil milhões e batem recorde de receitas

Tudo indica que a aposta da empresa liderada por Tim Cook em potenciar os milhões de produtos (hardware) em rede está a dar resultados. A Apple tem cerca 900 milhões de iPhones e 1,4 mil milhões de dispositivos ativos no mundo inteiro, que se estendem entre computadores, Apple Watches e outros wearables.
Recomendadas

Metade dos portugueses rejeitam fazer compras na ‘Black Friday’

Em relação à Cibermonday, apenas 18% dos portugueses vão aproveitar o dia para realizar compras.

Governo quer instalar “fábrica gigante” de hidrogénio em Sines

Este consórcio entre Portugal e a Holanda vai permitir ter acesso a fundos do programa ‘Projetos Comuns Importantes de Interesse Europeu’.

Startup Gooders chega a Portugal para recompensar voluntários com moedas virtuais

A empresa brasileira quer unir organizações não-governamentais, empresas e voluntários em prol da responsabilidade social. Entre os parceiros nacionais estão Cofina, Dott, ProdTo e Sharkcoders.
Comentários