Apple prepara-se para ser a primeira empresa a valer 1 trilião de dólares

A corrida para ser a primeira empresa no mundo a valer mais de 1 trilião de dólares está a ser animada com outras gigantes tecnológicas a perfilarem-se. Os ‘olhos’ também estão postos na Amazon, Facebook e Alphabet, empresa-mãe do Google.

A Apple está a liderar o caminho, com uma avaliação de mercado de 869 biliões de dólares (723 mil milhões de euros) obtida na semana passada, para se tornar a primeira empresa com uma avaliação do mercado de ações de 1 trilião de dólares, se os preços das ações continuarem a aumentar tanto quanto em 2017, avança o The Guardian.

A Apple, que esteve à beira da falência em 1997, altura em que o seu fundador, Steve Jobs, retomou a liderança, exigiu um aumento de 15% no preço de cada ação para assim conseguir atingir a barreira de 1 trilião de dólares, sendo que as ações da Apple aumentaram 47% no ano passado.

Nesta corrida, a empresa californiana que transformou as comunicações móveis, a música e a fotografia com o iPhone está 140 biliões de dólares (116 mil milhões de euros) à frente da Alphabet, que tem um valor de mercado de 729 biliões de dólares (606 mil milhões de euros).

 

 

Recomendadas

PremiumBrent em tensão pode custar uma décima do PIB

O OE2019 reconhece que as tensões geopolíticas estão a suportar subida do preço do petróleo, mas coloca a previsão abaixo da cotação atual. Os economistas dizem que é um risco e que o cenário negativo não é remoto.

Governo aprova linha de crédito para empresas afetadas pela tempestade Leslie

Regime excecional de contratação de empreitadas públicas aprovado em Conselho de Ministros prevê a possibilidade de contratação por ajuste direto, após consulta a três entidades, de empreitadas até cinco milhões de euros.

PremiumCESE alargada às renováveis e IVA desce, mas parcialmente

Proposta de orçamento confirma as notícias e os temas que estavam em discussão com o Bloco de Esquerda. O governo promete continuar com o processo de “redução da fatura energética para os consumidores”, que diz poderá ser superior a 10% este ano.
Comentários