Árabes anunciam apoio financeiro de 2,7 mil milhões de euros para o Sudão

O apoio financeiro assume a forma de depósito de 500 milhões de dólares (445 milhões de euros) ao banco central sudanês e 2,5 mil milhões de dólares (2,2 mil milhões de euros) destinados a financiar as necessidades do povo sudanês em produtos alimentares, medicamentos e produtos petrolíferos, indicou a agência sudanesa oficial SPA, citada pela France Press, sem especificar se se trata de doações ou empréstimos.

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos anunciaram hoje um apoio financeiro conjunto de 3 mil milhões de dólares (2,7 mil milhões de euros) ao Sudão, que começou uma transição difícil depois da destituição do presidente Omar el-Béchir.

O apoio financeiro assume a forma de depósito de 500 milhões de dólares (445 milhões de euros) ao banco central sudanês e 2,5 mil milhões de dólares (2,2 mil milhões de euros) destinados a financiar as necessidades do povo sudanês em produtos alimentares, medicamentos e produtos petrolíferos, indicou a agência sudanesa oficial SPA, citada pela France Press, sem especificar se se trata de doações ou empréstimos.

“Conscientes da necessidade de ajudar o povo irmão sudanês” e “em apoio à República do Sudão, os dois países decidiram prestar esta ajuda em conjunto”, escreveu a agência.

O depósito no banco central do Sudão destina-se a apoiar a libra sudanesa, aliviar a pressão a que está sujeita e estabilizar a sua taxa de câmbio.

A libra sudanesa valorizou hoje fortemente no mercado negro e tem valorizado face ao dólar desde a queda do presidente Omar el-Bashir, que deixa antever um fluxo de dólares ao país confrontado há vários anos com a escassez de moeda estrangeira.

Um líder da Aliança pela Liberdade e Mudança (ALC) disse sábado à noite que as conversações entre dirigentes militares e os líderes da contestação no Sudão sobre a transferência de poder para uma autoridade civil vão continuar.

A reunião de sábado à noite teve lugar na véspera do anúncio pelo movimento de contestação da formação de um “Conselho Civil para os Assuntos do País” que substituiria o Conselho Militar de Transição, no poder desde a queda do presidente Omar al-Bashir, em 11 de abril.

No dia 11, o ministro da Defesa do Sudão, Awad Ahmed Benawf, surgiu em uniforme militar na televisão pública sudanesa e anunciou a destituição de al-Bashir e a realização de “eleições livres e justas” após um período de transição de dois anos, durante o qual o país será governado por um conselho de transição militar.

Os militares decretaram estado de emergência para os próximos três meses, suspenderam a Constituição e fecharam as fronteiras e o espaço aéreo do país.

Omar al-Bashir foi destituído e detido pelas Forças Armadas, depois de mais de quatro meses de contestação popular.

Os protestos, inicialmente motivados pelo aumento dos preços do pão e de outros bens essenciais, acabaram por transformar-se num movimento contra Al-Bashir, que liderava o país desde 1989, quando chegou ao poder através de um golpe de Estado.

 

Ler mais
Recomendadas

Isabel dos Santos diz que pagamentos do crédito de 125 milhões de euros à CGD estão “em dia

No Twitter, Isabel dos Santos precisa ainda que “atualmente, o valor das ações da NOS que servem de colateral têm um valor de mercado cerca de 10 vezes superior ao valor líquido do financiamento”.

Procurador francês diz que estão acionados todos os meios para encontrar suspeito do atentado de Lyon

As autoridades francesas procuram o presumível autor do atentado ocorrido na sexta-feira numa rua em Lyon, que fez 13 feridos. A investigação judicial, aberta inicialmente por tentativa de homicídio, foi transferida para o Ministério Público de Paris, que centraliza os casos de terrorismo em França.

“Marginalização de África no comércio mundial não mudou muito”, diz ex-dirigente da ONU Carlos Lopes

Carlos Lopes, antigo adjunto do secretario-geral das Nações Unidas, defendeu este sábado em Lisboa que a Zona de Livre Comércio Continental (ZLEC) pode contribuir para acelerar a industrialização da região.
Comentários