Premium“Arbitragem continua a ser o meio preferido de resolução de litígios internacionais”

O líder da equipa de arbitragem da PLMJ afirma que há uma “crescente autonomização” do direito de arbitragem e que a sociedade tem feito “um forte investimento” nesta área.

Pedro Metello de Nápoles assumiu formalmente a liderança da equipa de Arbitragem da PLMJ em janeiro deste ano, sucedendo ao fundador José Miguel Júdice. É desde 2006 sócio de PLMJ, onde ingressou em 1995. Foi até ao final de 2015 o responsável pela coordenação da Angola Desk. Desde 1998 que se tem vindo a especializar-se na área da arbitragem, tendo desde então estado envolvido como advogado em várias dezenas processos arbitrais, domésticos e internacionais. Parte significativa dessas arbitragens processou-se de acordo com as Regras de Arbitragem da CCI – Câmara de Comércio Internacional (CCI), sendo as outras ou ad-hoc, ou de acordo com as Regras do Centro de Arbitragem da CCIP, do Instituto de Arbitragem Comercial Associação Comercial do Porto e do Centro de Arbitragem de Litígios Comerciais (OA).

Quais as tendências que estão a marcar o direito da arbitragem?

Internamente, e à semelhança do que aconteceu noutros países, penso que é seguro dizer que é manifesta uma crescente autonomização do direito de arbitragem, com a tomada de consciência de que a arbitragem é mais do que uma forma de processo no catálogo das leis processuais e que envolve efectiva especialização. Internacionalmente, penso que os dois temas mais relevantes são o futuro da arbitragem de investimento, principalmente envolvendo países da União Europeia e o desenvolvimento e utilidade da chamada soft law, ou seja, de conjuntos de regras normalmente emitidas no âmbito de associações internacionais e que visam servir de enquadramento aos processos arbitrais, sendo o caso mais recente o das Regras de Praga.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Pedro Metello de Nápoles: “Há centros de arbitragem a mais em Portugal”

O novo líder da equipa de Arbitragem da PLMJ, que sucedeu ao fundador José Miguel Júdice, critica a “pulverização” na área e defende que é necessário que os centros atuais se desenvolvam.
Recomendadas

“Dados pessoais podem ser um produto tóxico para quem incumpra com o RGPD”

Até 2020 vai entrar em vigor o Regulamento e-Privacy e o Código das Comunicações Eletrónicas, o que irá obrigar as empresas a novos ajustes e alterações.

Sérvulo estabelece parceria com sociedade de advogados em Cabo Verde

A MJN Advogados, de Maria João de Novais, é o novo escritório parceiro da Sérvulo & Associados.

Conselho Regional vai deixar de ser “suporte do bastonário”

A advogada Ana Sofia de Sá Pereira, que tem tudo preparado para avançar com uma candidatura ao Conselho Regional do Porto, apoia uma eventual candidatura de António Jaime Martins contra Guilherme Figueiredo.
Comentários