Armando Vara poderá ser preso nas próximas horas

O mandato de detenção para o ex-administrador da Caixa Geral Depósitos (CGD) já foi emitido, avança o Correio da Manhã. Armando Vara foi condenado em setembro de 2014 pelo Tribunal de Aveiro a cinco anos de prisão efetiva, por três crimes de tráfico de influência, no âmbito do processo Face Oculta.

Armando Vara poderá ser preso nas próximas horas, já que o mandado de prisão para o ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) já foi emitido, avança a edição online desta segunda-feira, do “Correio da Manhã”.

Armando Vara foi condenado em setembro de 2014 pelo Tribunal de Aveiro a cinco anos de prisão efetiva por três crimes de tráfico de influência, depois do coletivo de juízes ter dado como provado que o antigo ministro e ex-vice-presidente do BCP recebeu 25 mil euros do sucateiro Manuel Godinho, o principal arguido no caso, como compensação pelas diligências por si empreendidas e a empreender em favor das suas empresas.

No passado mês de julho de 2018, em declarações à agência “Lusa”, o advogado Tiago Rodrigues Bastos confirmou que iria “apresentar uma reclamação” para a conferência de juízes do TC, para evitar que começasse imediatamente a cumprir a pena.

Já em novembro do mesmo ano o Tribunal da Relação do Porto manteve esta condenação do antigo vice-presidente do BCP neste processo.

O processo Face Oculta está relacionado com uma alegada rede de corrupção que teria como objetivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho nos negócios com empresas do setor do Estado e privadas.

Existem além de Armando Vara mais três arguidos neste processo com penas efetivas e cuja sentença passou a ser definitiva: João Tavares, ex-funcionário da Petrogal, com uma pena de cinco anos e nove meses para cumprir, o ex-quadro da Refer Manuel Guiomar, condenado a seis anos e meio, e o ex-funcionário da Lisnave Manuel Gomes, condenado a uma pena de quatro anos e quatro meses.armando va

Ler mais
Recomendadas

Ex-presidente Michel Temer detido no âmbito do caso Lava Jato

Jornal ‘Folha de São Paulo’ avança que o ex-presidente do Brasil foi detido no âmbito da investigação Lava Jato.

Rui Pinto chega esta quinta-feira: o que pode esperar o ‘hacker’ português?

Denunciante do Football Leaks será transferido da cadeia húngara para Portugal, após decisão de extradição as autoridades judiciais da Hungria que indeferiram o recurso da defesa de Rui Pinto. Data acordada entre os dois países foi avançada ao JE por fonte próxima ao processo.

Resolução do BES: ‘Garantia Angola’ nunca foi aceite pelo Banco de Portugal

O Banco de Portugal “nunca questionou a validade da garantia soberana”, mas acabou por não a considerar, aquando da resolução, porque faltavam dois anexos onde constavam os créditos e ativos imobiliários que estavam a ser cobertos pela garantia, impossibilitando o supervisor bancário nacional de proceder à análise da garantia soberana.
Comentários