Arquitetos portugueses distinguidos pelo Royal Institute of British Architects

Os arquitetos Francisco Vieira de Campos e Cristina Guedes, do “Menos é Mais – Arquitetos”, receberam do prestigiado Royal Institute of British Architects (RIBA) a distinção de “International Fellowship 2017”.

O atelier com sede no Porto, autores de muitos e relevantes projectos, entre os quais o mediático “Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas”, situado na Ribeira Grande nos Açores, receberam esta distinção em “reconhecimento do enorme contributo que têm dado à arquitetura”.

Os laureados deste ano serão apresentados no início de 2017, num evento que terá lugar no dia 30 de janeiro, em Londres, onde será também apresentado o vencedor da “Royal Gold Medal 2017”, o arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha, autor do novo Museu dos Coches, em Lisboa.

Além da dupla portuguesa, contam-se entre os distinguidos com o RIBA International Fellowship, estão: Johan Celsing (Suécia), Izaskun Chinchilla (Espanha), Frederick Cooper (Perú), Philip Cox  (Austrália), Tom de Paor  (Irlanda), Bijoy Jain  (Índia), Siv Helene Stangeland e Reinhard Kropf da Helen & Hard (Noruega e Áustria) Vo Trong Nghia (Vietname) e Marie Jose Van Hee (Bélgica).

O RIBA distingue anualmente um restrito número de arquitetos internacionais com esse estatuto, onde constam nomes como Bjarke Ingels, Herzog & de Meuron, Frank Gehry, Jean Nouvel, Renzo Piano e Alvaro Siza – muitos dos quais foram homenageados com a Royal Gold Medal.

Recomendadas

CEiiA vai integrar plataforma dos Oceanos das Nações Unidas

Esta adesão ao United Nations Global Compact decorrerá, hoje, em Nova Iorque no âmbito da Assembleia Geral da Nações Unidas, que contará com a presença da Ministra do Mar de Portugal, Ana Paula Vitorino.

Prioridade da bicicleta como meio de transporte vai ser inscrita na Constituição da Suíça

Três em cada quatro eleitores suíços aprovaram em referendo a introdução de um novo princípio constitucional: a prioridade da bicicleta como meio de transporte, mediante políticas públicas focadas nesse objetivo e melhoria das infra-estruturas.

Tirar um curso superior pode custar sete mil euros por ano

No ano letivo de 2015/2016 estudar no ensino superior custava em média 6.445 euros anuais. Um aluno do ensino superior privado gastou quase dez mil euros e aos dias de hoje, só as propinas podem variar entre os dois mil e os seis mil euros anuais nestas instituições.
Comentários