Arrefecimento chinês penaliza Wall Street

Na China, as vendas de retalho e a produção industrial chinesas arrefeceram em abril deste ano. E, na economia norte-americana surge o receio que as tensões comerciais poderão complicar a política monetária da Reserva Federal.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque abriram a sessão desta quarta-feira em terreno negativo depois de a China ter apresentado dados macroeconómicos que estão a penalizar o sentimento dos investidores. Isto sugere que, no pico das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, a segunda maior economia mundial pode precisar de mais estímulos.

Logo após o toque do sino da abertura da sessão norte-americana, o industrial Dow Jones perdia 0,61%, para 25.377,57 pontos; o S&P 500 cedia 0,59%, para 2.817,73 pontos; e o tecnológico Nasdaq caía 0,63%, para 7.685,70 pontos.

As vendas de retalho e a produção industrial chinesas arrefeceram em abril deste ano. Apesar do crescimento homólogo de 5,4% da produção industrial, a atividade produtiva ficou abaixo das previsões dos analistas. Além disso, o crescimento da produção industrial em abril ficou abaixo do crescimento registado em março, que se fixou nos 8,5%.

As vendas de retalho cresceram 7,2%, ao ritmo mais lento dos últimos 16 anos e que compara com as previsões de 8,6% dos analistas, sinalizando que a confiança dos consumidores chineses poderá estar enfraquecida. O economista do banco HSBC, Jingyang Chen, referiu, no entanto, que a quebra do ritmo do crescimento das vendas de retalho em abril ocorreu por terem havido menos feriados em abril de 2019 do que no ano passado.

Na economia norte-americana surge o receio que as tensões comerciais poderão complicar a política monetária da Reserva Federal. Os analistas apontam que, em consequência das tensões, a maior economia do mundo poderá crescer a um ritmo mais lento, acompanhada de uma maior inflação.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a cair. Em Londres, o Brent cai 0,35%, para 70,99 dólares e o norte-americano West Texas Intermediate desvaloriza 0,34%, para 61,32 dólares.

Ler mais
Relacionadas

Ziguezague milionário domina Wall Street

Hoje é dia de dados económicos relativos à produção industrial na China e nos EUA, bem como das vendas a retalho por terras do tio Sam, contudo o ruído à volta da guerra comercial poderá se sobrepor caso existam novidades.

Wall Street fecha em alta graças a pequena distensão na relação EUA-China

A bolsa nova-iorquina encerrou esta terça feira em alta, com os investidores a beneficiarem de uma clara recuperação depois da pior sessão em quatro meses, graças a uma aparente pequena distensão nas negociações comerciais entre Pequim e Washington.
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários