Arrefecimento chinês penaliza Wall Street

Na China, as vendas de retalho e a produção industrial chinesas arrefeceram em abril deste ano. E, na economia norte-americana surge o receio que as tensões comerciais poderão complicar a política monetária da Reserva Federal.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque abriram a sessão desta quarta-feira em terreno negativo depois de a China ter apresentado dados macroeconómicos que estão a penalizar o sentimento dos investidores. Isto sugere que, no pico das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, a segunda maior economia mundial pode precisar de mais estímulos.

Logo após o toque do sino da abertura da sessão norte-americana, o industrial Dow Jones perdia 0,61%, para 25.377,57 pontos; o S&P 500 cedia 0,59%, para 2.817,73 pontos; e o tecnológico Nasdaq caía 0,63%, para 7.685,70 pontos.

As vendas de retalho e a produção industrial chinesas arrefeceram em abril deste ano. Apesar do crescimento homólogo de 5,4% da produção industrial, a atividade produtiva ficou abaixo das previsões dos analistas. Além disso, o crescimento da produção industrial em abril ficou abaixo do crescimento registado em março, que se fixou nos 8,5%.

As vendas de retalho cresceram 7,2%, ao ritmo mais lento dos últimos 16 anos e que compara com as previsões de 8,6% dos analistas, sinalizando que a confiança dos consumidores chineses poderá estar enfraquecida. O economista do banco HSBC, Jingyang Chen, referiu, no entanto, que a quebra do ritmo do crescimento das vendas de retalho em abril ocorreu por terem havido menos feriados em abril de 2019 do que no ano passado.

Na economia norte-americana surge o receio que as tensões comerciais poderão complicar a política monetária da Reserva Federal. Os analistas apontam que, em consequência das tensões, a maior economia do mundo poderá crescer a um ritmo mais lento, acompanhada de uma maior inflação.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a cair. Em Londres, o Brent cai 0,35%, para 70,99 dólares e o norte-americano West Texas Intermediate desvaloriza 0,34%, para 61,32 dólares.

Ler mais
Relacionadas

Ziguezague milionário domina Wall Street

Hoje é dia de dados económicos relativos à produção industrial na China e nos EUA, bem como das vendas a retalho por terras do tio Sam, contudo o ruído à volta da guerra comercial poderá se sobrepor caso existam novidades.

Wall Street fecha em alta graças a pequena distensão na relação EUA-China

A bolsa nova-iorquina encerrou esta terça feira em alta, com os investidores a beneficiarem de uma clara recuperação depois da pior sessão em quatro meses, graças a uma aparente pequena distensão nas negociações comerciais entre Pequim e Washington.
Recomendadas

BCP e Mota-Engil levam PSI 20 a afundar pelo segundo dia consecutivo

Praça lisboeta fechou a sessão desta terça-feira com uma descida de 0,60% para 5.220,59 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

Quebras da Netflix marcam cenário ‘vermelho’ em Wall Street

O peso de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China continua a pairar sobre a bolsa norte-americana, dado que poderá vir a prejudicar os lucros das empresas.

Prolongamento da guerra comercial abala fecho em Wall Street

Uma das entidades que já sofreu com esta possibilidade foi a CSX, ligada ao setor ferroviário e imobiliário e cujas as ações tombaram 9,9%.
Comentários