As marcas não tiram férias

Nos últimos dias, foi lançada a IGTV, uma nova solução do Instagram que mudará o mercado de vídeo online. Que marcas serão suficientemente rápidas a introduzi-la na sua comunicação do Mundial?

Os dias quentes ainda nascem tímidos, entre chuva e céu nublado, mas é oficial: chegou o verão. Com julho à vista, começam a surgir as mensagens automáticas de Out Of Office. Quem as recebe poderá sentir, por um segundo, a ânsia de férias. Poderá idealizar sol e mar, o campo silencioso, uma cidade nova por descobrir. Imagine-se qualquer cenário e, talvez excluindo os retiros sem wifi, nos dias de descanso continuará a procura por informação, produtos ou serviços. Os consumidores e clientes não tiram férias e, por isso, as marcas também não.

Este é um princípio muito simples que fala da necessidade da marca estar presente em todos os momentos da jornada de consumo de cada um, com a mensagem mais relevante. É um processo altamente individualizado, sete dias por semana, 365 dias por ano. Este verão, um acontecimento em particular une multidões e agita fortemente o panorama das marcas: o Mundial 2018.

Antes do apito inicial, grandes campanhas de marketing foram delineadas sabendo que a recetividade do público tende a ser maior perante temas que unem e despertam emoções. No futebol esquecem-se as diferenças e celebra-se com estranhos como se de amigos se tratassem. Quem nunca vibrou com os festejos efusivos de um golo? É contagiante, porque é a mais pura emoção, “pois para o diabo vá a razão quando o futebol invade o coração”, diria Carlos Drummond de Andrade.

Então acontece a imprevisibilidade. O jogo vive deste fator e, por muitas horas de treino – dificilmente existe arte sem técnica –, é impossível prever o que acontecerá. Até ao último segundo, um golo pode mudar tudo. Assim como no futebol, as marcas vivem diariamente esta realidade. A melhor estratégia pode cair de um momento para o outro com uma nova tendência.

Nos últimos dias, assistimos ao lançamento da IGTV, uma nova solução do Instagram que mudará o mercado de vídeo online. Depois de dominar no vídeo instantâneo, com as stories, abre-se agora a possibilidade de criação de vídeos até uma hora na vertical. Que marcas serão suficientemente rápidas a introduzir a IGTV na sua comunicação do Mundial?

Se o espaço publicitário em televisão foi considerado durante muito tempo o único meio para divulgar grandes campanhas, o paradigma mudou. Crescem as ações de ativação no digital com resultados visíveis de alcance, engagement e conversão. Veja-se o caso dos chatbots, por exemplo, tanto mais explorados quanto mais se comprova o seu enorme potencial no contacto com o cliente.

Até à final do Mundial, seremos impactados com mensagens que gritam o que torna cada nação única. Quando nos identificamos com o que é dito e sentimos orgulho, podem mesmo nascer movimentos que, muitas vezes, lembramos durante anos. É tempo de vestir a camisola e há quem não a queira tirar até ao último jogo. É então que as marcas sem Out of Office que não falharam a convocatória terão mais um momento fundamental para contar a sua história.

Recomendadas

Por um PSD vitorioso em 2019

Como se votam as moções de confiança aos governos na Casa da Democracia? Já várias foram discutidas e votadas, e nenhuma foi por voto secreto. Não pode haver medo de assumir posições.

As ditaduras são piores que as democracias

As ditaduras são mais corruptas que as democracias. São um retrocesso civilizacional e uma não resposta aos problemas da contemporaneidade.

‘Requiem’ por um Bastonário

Numa altura em que se diz pretender-se combater a precariedade, haja alguém que olhe para a inexistente previdência dos advogados, em vez de lhes acenarem com descontos ridículos.
Comentários