ASAE apreende artigos têxteis no valor de 100 mil euros em Vila do Conde

Os visados da investigação “procediam, ainda, ao seu embalamento individual e colocavam já as respetivas etiquetas de preços de cartão exteriores, com um ‘layout’ idêntico ao original”, precisa a ASAE.

A ASAE anunciou hoje que apreendeu 61.954 artigos têxteis, avaliados em cerca de 100 mil euros, numa unidade industrial em Vila do Conde licenciada para armazenamento de têxteis, mas que também operava como unidade de confeção e de embalamento.

Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) informou que a apreensão resultou de uma investigação para apuramento da existência de crimes de fraude sobre mercadorias e de contrafação, realizada através da Unidade Nacional de Informações e Investigação Criminal da ASAE, e que os visados são “suspeitos de violarem os direitos de propriedade industrial dos titulares das marcas e de enganarem intencionalmente os consumidores na autenticidade do produto”.

Desta investigação, a ASAE “apurou que, como ‘modus operandi’, os visados recebiam os artigos têxteis provenientes de fábricas nacionais, como calças, camisolas ou blusões, vindo a maioria em ‘cru’ (sem qualquer marca aposta ou, consoante as peças, apenas com bordados exteriores), sendo colocadas nos artigos, naquelas instalações, as etiquetas de tecido de marcas protegidas falsificadas”, explica o comunicado.

Os visados da investigação “procediam, ainda, ao seu embalamento individual e colocavam já as respetivas etiquetas de preços de cartão exteriores, com um ‘layout’ idêntico ao original”, precisa a ASAE.

“Os preços apresentados nas etiquetas exteriores corresponderiam aos valores dos produtos autênticos, entrando fraudulentamente no circuito comercial (nacional e estrangeiro) e criando intencionalmente o erro no consumidor de que se tratava de produtos originais”, adianta a ASAE.

A ASAE afirma ainda que a “investigação vai prosseguir, visando o apuramento integral da rede de comércio destes produtos, em prol da sã e leal concorrência, da defesa dos consumidores e da proteção dos direitos de propriedade industrial”.

Ler mais
Recomendadas

Agentes da PSP exigem pagamento de retroativos de atualização salarial ocorrida em 2010

A ASPP recebeu esta semana a sentença do Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa que, à semelhança do do Porto, veio dar razão aos dois mil agentes principais da PSP, penalizados entre março de 2010 e dezembro de 2011 na então nova tabela remuneratória.

PremiumEduardo Lourenço: Praticamente 100 anos de reflexão

Desde há muito um dos intelectuais mais consensuais, o autor de livros como “O Labirinto da Saudade” distinguia-se pela serenidade com que, vivendo longe do país, pensava Portugal e aquilo que é ser português. Morreu aos 97 anos, no dia da Restauração.

Covid-19: Ordem atribui prémio a advogado que interpôs ação contra medidas nos Açores

A Ordem dos Advogados atribuiu o Prémio Angelo dAlmeida Ribeiro-2020 a Pedro Bettencourt Gomes, promotor, em maio, de um ‘habeas corpus’ (pedido de libertação imediata) de um “cliente arbitrariamente detido nos Açores” num caso ligado à pandemia de covid-19.
Comentários