ASF vai passar a cooperar com o Banco de Cabo Verde

O protocolo assinado hoje, sexta-feira, incide sobre os domínios do intercâmbio de informações, da formação profissional e da assistência técnica.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões estabeleceu um protocolo de cooperação e assistência técnica com o Banco de Cabo Verde, que incide sobre três áreas principais: intercâmbio de informações, formação profissional e assistência técnica, diz o regulador dos seguros em comunicado.

O Protocolo, assinado pelo Presidente da ASF, José Figueiredo Almaça, e pelo Governador do Banco de Cabo Verde, João António Pinto Serra, “vem reforçar a cooperação bilateral entre as duas entidades, visando a promoção do desenvolvimento equilibrado do setor segurador e de fundos de pensões”, diz a ASF.

A cooperação passa por troca de publicações e estudos técnicos, o intercâmbio de informação e documentação não confidencial no domínio da supervisão, a realização de seminários e conferências e a organização de cursos e estágios de formação dirigidos a quadros técnicos e a grupos de especialistas.
“Em matéria de assistência técnica, o Protocolo abrange, ainda, a elaboração de estudos, projetos e pareceres de interesse comum, nos domínios das atribuições próprias das duas autoridades de supervisão”, lê-se na nota.

 

Recomendadas

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.

BNI Europa estabelece parceria com empresa alemã para concretizar a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco.

Natixis registou resultado líquido de 1,6 mil milhões de euros em 2018

A Natixis alcançou 12,0% de RoTE (Return on tangible equity) subjacente (13,9% ajustado) face a 12,3% em 2017, anuncia o banco francês. O RoE (return-on-equity, rendimento sobre o capital) subjacente dos negócios atingiu 13,7% (15,1% ajustado), face a 13,8% em 2017.
Comentários