Assédio sexual na ONU obriga Guterres a criar grupo de trabalho

Guterres tem adotado uma política de tolerância zero para esse tipo de comportamento e quer garantir “máxima atenção e reforçar ações sobre o assunto dentro do sistema ONU”

Denis Balibouse/Reuters

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, decidiu criar um grupo de trabalho para tratar de casos de assédio sexual dentro da organização. Segundo o porta-voz, a recente “onda de relatos de assédio sexual no ambiente de trabalho de várias instituições mostra o quão subtil é essa forma de violência e de discriminação”. A informação é da ONU News.

A task force que acaba de ser criada será liderada pela subsecretária-geral de Gestão da ONU, Jan Beagle. O grupo de trabalho tem como missão apresentar ao secretário-geral um relatório sobre o assunto na primavera de 2018 e irá rever políticas sobre tratamento e prevenção de casos e verificar a capacidade da organização de investigar as alegações, além de verificar que tipo de apoio e de proteção é dado às vítimas.

Guterres tem adotado uma política de tolerância zero para esse tipo de comportamento e quer garantir “máxima atenção e reforçar ações sobre o assunto dentro do sistema ONU”. Em novembro, o secretário-geral já tinha declarado que tratar os casos de assédio sexual é uma preocupação crescente da comunidade internacional.

Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários