Assembleia da Madeira discute voto de protesto contra falta de segurança nas levadas

O voto de protesto é apresentado pelo PTP, que diz que a falta de sinalética e informação em alguns percursos têm sido factores de risco que contribuem para a falta de segurança nas levadas da Madeira.

O plenário da Assembleia Legislativa da Madeira tem programado para esta terça-feira a discussão de um voto de protesto, apresentado pelo PTP, contra a falta de segurança nas levadas regionais.

Os trabalhistas defendem que as levadas são um dos grandes atractivos da Madeira mas que o aumento do número de turistas a circular nestes locais tem levado a cada vez mais acidentes.

Para o PTP para além das condições naturais o erro humano tem sido uma das causas para esses acidentes nas levadas da madeira que o partido justifica, no seu voto de protesto, como “fruto do desconhecimento, falta de preparação ou até excesso de confiança”.

A falta de sinalética e de informação, os deslizamentos de terra e a queda de rocha, que no entender do PTP constituem factores de risco nas levadas da Madeira.

O partido considera inaceitável a maneira como são geridos e mantidos os percursos pedestres junto às levadas da região.

Recomendadas

Madeira: Governo reafirma esforço para implementar mecanismo de protecção de dados

O diretor regional adjunto das Finanças, Rogério Gouveia, disse que a participação da região em exercícios de cibersegurança tem permitido analisar as vulnerabilidades e riscos do ciberespaço, bem como os condicionamentos que a descontinuidade territorial comporta e a consequente dependência das comunicações.

Saiba como preencher uma queixa no livro de reclamações

Há vários meios para reclamar: o contacto direto com o vendedor/prestador de serviços, o envio de carta registada com aviso de receção ou a queixa no livro de reclamações.

Partidos da oposição na Madeira consideram níveis de pobreza na Região elevados

“A economia está a crescer, estamos a produzir mais e a criar mais riqueza, , mas, por outro lado, as desigualdades também estão a agravar-se”, afirma Rui Barreto.
Comentários