Assembleia Geral da Pharol adiada mais uma vez

A reunião de accionistas desta sexta-feira tinha por objetivo votar a renovação da eleição dos órgãos sociais e comissão de vencimentos para o triénio 2018-2020

Luís Palha da Silva, “líder” da Pharol, dá por encerrados todos os litígios com a Oi

Em comunicado ao mercado a ex-PT SGPS, informou que, na Assembleia Geral Extraordinária de Acionistas, realizada hoje, deliberou suspender a sessão até ao próximo dia 8 de fevereiro de 2019.

Os acionistas da Pharol adiaram assim a assembleia geral que tinha como único ponto renovar a eleição dos órgãos sociais e eleger mais um administrador, elevando para 11 o número de administradores.

Esta votação já tinha sido adiada uma vez, depois de ter estado inicialmente agendada para 23 de Novembro.

“A informação relativamente à continuação dos trabalhos será objeto de publicação autónoma por parte da sociedade”, diz a Pharol em comunicado.

Desta vez a razão do adiamento da AG, prende-se com o acordo entre a Oi e a Pharol para encerrar todos os litígios judiciais no Brasil e em Portugal. O acordo ainda está dependente da aprovação do juiz que está com o Plano de Recuperação Judicial da Oi. O acordo assinado recentemente prevê que a Oi tenha um administrador no Conselho de Administração da Pharol.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Teixeira dos Santos: “Não tenho razões para me arrepender” da escolha de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara

O Estado “nunca interferiu em qualquer operação” da Caixa Geral de Depósitos, garantiu ainda o ex-ministro das Finanças, na última comissão parlamentar de inquérito aos atos de gestão e recapitalização do banco público, que se realizou esta quarta-feira.

Apple considera mudar até 30% das operações da China para o Sudeste Asiático

A Índia e o Vietname são as opções cimeiras para a gigante tecnológica. A corretora Wedbush Securities sublinha que levaria pelo menos 2 a 3 anos a transferir 15% da produção de iPhones da China para outras regiões.

TAP concretiza maior operação em Bolsa desde 2012 no valor de 200 milhões de euros

A dona da companhia aérea nacional divulgou esta quarta-feira à tarde os resultados da oferta pública de subscrição das “Obrigações TAP 2019-2023”. O Jornal Económico sabe que a TAP quer captar mais 350 a 400 milhões de euros em futura abertura de capital.
Comentários