Assunção Cristas: “Não houve nenhum virar de página na austeridade”

A líder do CDS-PP afirmou esta manhã que “não houve nenhum virar de página na austeridade”, expressando a sua preocupação em saber como é que o Governo chegou à redução do défice noticiada ontem. “Por via indireta, todos nós estamos a pagar muitíssimos impostos,” criticou Cristas.

À margem de uma ação de pré-campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 1 de outubro, na freguesia lisboeta da Ajuda, Assunção Cristas falou sobre a anunciada redução do défice, que totalizou 3.763 milhões de euros até julho, um recuo de 1.153 milhões de euros face a 2016, segundo o Ministério das Finanças. “Por via indireta, todos nós estamos a pagar muitíssimos impostos e, na nossa avaliação, não houve nenhum virar de página na austeridade,” comentou a presidente do CDS-PP.

“Este governo teve sempre uma política de austeridade à esquerda, tirou com uma mão, deu com a outra, redistribuiu as coisas, mas, na verdade, não teve uma política significativa de impulso à atividade económica através de uma melhor competitividade fiscal”, prosseguiu Cristas, criticando a “arrecadação muito grande de impostos” para famílias e empresas e recordando as propostas do CDS-PP para diminuir a carga fiscal.

“O que eu gostaria de ver era uma baixa significativa de impostos, desde logo para as empresas, para podermos ter atividade económica mais significativa”, contrapôs. “Vejo sempre com bons olhos quando há uma melhoria do défice”, assumiu. E deixou o alerta: “Preocupa-me saber como chegámos a esse défice.” Cristas contabiliza “mil milhões de euros” em “cortes cegos” nos serviços públicos, nomeadamente educação, saúde e transportes, atribuídos ao atual Governo do PS, apoiado por BE e PCP.

Relacionadas

Duarte Pacheco sobre execução orçamental: “agravaram-se os pagamentos em atraso do Estado”

“A despesa do Estado tem o mesmo valor do ano passado”, diz Duarte Pacheco. “O que leva a perguntar se isto significa que o volume das cativações está ao nível do ano passado (altura em que foram valores recorde)?”, disse o deputado social-democrata.

Centeno garante que vai cumprir meta do défice: “A melhoria é evidente”

Défice das contas públicas foi de 3.763 milhões de euros, até julho, diminuindo 1.153 milhões de euros face ao mês homólogo. Ministro das Finanças diz que dados permitem “antecipar o cumprimento dos objetivos orçamentais de 2017”.

Défice recua em julho com mais receitas e estabilidade da despesa

Governo diz que a execução orçamental de julho permite antecipar o cumprimento dos objetivos orçamentais. Défice da administração pública foi de 3.763 milhões de euros, menos 1.153 milhões que no mês homólogo.
Recomendadas

Vítor Bento diz que o crescimento económico vai desacelerar na próxima década

O economista lembrou a instabilidade fiscal e os impostos especiais sobre lucros que “estão a desincentivar a acumulação de capital e o investimento e nós precisamos de aumentar o capital para aumentar a produtividade, logo essa política não favorece o aumento de salários. Essa hostilidade ao capital é a promoção da política de salários baixos”.

Turismo: dormidas de residentes crescem 24,4% no Algarve

O crescimento expressivo do mercado interno faz com que em dez meses de 2018 já se tenham realizado mais dormidas de turistas nacionais (mais de 4,1 milhões) do que em todo o ano 2017 (perto de 4 milhões).

Associação de Gestão de Resíduos apoia projetos de economia circular com 18 mil euros

Destinada a instituições de ensino superior e de investigação – alunos ou investigadores –, ao sector empresarial, a associações de desenvolvimento, a instituições sociais, à comunidade artística e a outras entidades e particulares, as candidaturas à Academia Electrão decorrem até 12 de abril.
Comentários