Ataque nuclear da Coreia do Norte pode matar 2,1 milhões de pessoas

Análise realizada por Michael J. Zagurek Jr., com base no armamento do regime de Kim Jong-un, alerta para os efeitos mortíferos de um possível ataque. Número de feridos pode ascender a 7,7 milhões.

Numa altura em que as tensões entre a Coreia do Norte e países como os Estados Unidos, a Coreia do Sul ou o Japão não parecem próximas de acalmar, um novo estudo mostra que um ataque nuclear poderá matar 2,1 milhões de pessoas e ferir outras 7,7 milhões.

As conclusões são de uma análise realizada por Michael J. Zagurek Jr. tendo por base o armamento do regime de Kim Jong-un e que alerta para os efeitos mortíferos de um possível ataque.

Se Pyongyang decidir lançar um ataque nuclear contra Seoul ou Tóquio, o impacto será devastador para os países vizinhos. O consultor especializado em bases de dados e modelos informáticos, citado pela agência Bloomberg, estima que a Coreia do Norte tem um arsenal com 20 a 25 ogivas e capacidade para as armar com mísseis balísticos.

Ainda no mês passado, o Japão reviu o nível de ameaça da Coreia do Norte, alertando para que os avanços nucleares do país tinham entrado numa “nova etapa”. No relatório anual de Defesa do país, os analistas deram conta que Kim Jong-Un já tem nas mãos a tecnologia que precisa para desenvolver um míssil intercontinental e adquirir ogivas nucleares.

Na terça-feira, a Coreia do Norte acusou o Japão se arrisca a ver “nuvens nucleares” no seu território devido à pressão que o país tem exercido perante a comunidade internacional para impor mais sanções a Pyongyang e influenciar a abandonar de vez o programa atómico.

Recomendadas

Moody’s baixa ‘rating’ de Itália para Baa3

A agência de notação financeira enumera o enfraquecimento da força fiscal do país e a paralisação das reformas estruturais como fatores para o ‘downgrade’.

Angola. João Lourenço exonera quatro embaixadores, incluindo na CPLP

João Lourenço exonerou os embaixadores na Missão de Angola junto da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), Luís de Almeida, no México, Leogivildo da Costa e Silva, na Grécia, Isabel Mercedes da Silva Feijó, e no Canadá, Edgar Gaspar Martins.

Brasil: WhatsApp notifica empresas suspeitas de difundir mensagens contra o PT

As empresas notificadas pela rede WhatsApp são a Quickmobile, Yacows, Croc services e SMS Market, que foram citadas numa reportagem anterior do jornal brasileiro, sobre um suposto esquema de envio em massa de notícias falsas patrocinado por apoiantes do candidato à presidência do Brasil Jair Bolsonaro.
Comentários