“Até que ponto não se justifica criar um Ministério do Turismo?”

E se o próximo Governo criasse um Ministério do Turismo? A ideia foi lançada pelo advogado e consultor Luís Miguel Henrique na última edição do programa ‘Jogo Económico’.

“Até que ponto é que o próximo executivo merecerá ter um ministério do Turismo. Esse poderá ser um grande desafio”. Este foi o mote dado pelo advogado e consultor Luís Miguel Henrique, comentador residente do programa ‘Jogo Económico’, no programa sobre turismo desportivo onde também participou João Marcelino e António da Cunha, da empresa Move Sports.

“Enquanto tivermos uma secretaria de Estado dentro do ministério da Economia, esta acaba por estar muito limitada no pensamento, na estratégia e na filosofia. Se quisermos começar isto pelo princípio, que é começar pelo modelo de governação”, defendeu o comentador.

Luís Miguel Henrique questiona: “Até que ponto, hoje em dia o setor do turismo justifica ou não haver um ministério do Turismo? Porque a partir do momento em que haja uma equipa que pense o turismo e esteja dotada dos meios, ferramentas, dos recursos financeiros, das pessoas, dos quadros, então sim possivelmente poderá haver equipas que façam uma abordagem metodológica pura e disciplinar, não só em relação ao desporto”.

“O turismo desportivo”, realçou o advogado e consultor, “é sem dúvida alguma um conjunto de condições, um espaço enorme para continuar a crescer geometricamente, mas não é só. Então, porque não pensar seriamente se queremos pegar mesmo na mola do turismo e trabalha-la isso tem de ser um exemplo dado de cima e criar no próximo executivo um ministério do Turismo que pense e dote com ferramentas que sejam recursos humanos e financeiros uma equipa que pense multidisciplinarmente todas estas questões e que aproveite todo este potencial”.

Assista aqui a todo o debate sobre o turismo desportivo em Portugal:

Recomendadas

OE2019: PS propõe que se alargue à CGA alívio de penalizações por reforma antecipada

O PS anunciou hoje que vai apresentar uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2019 para alargar o regime de flexibilidade de acesso à reforma antecipada aos subscritores da Caixa Geral de Aposentações (CGA).

OE2019: PCP quer inscrever objetivo de patamar mínimo de 1% da despesa para a Cultura

“É consagrado o objetivo de alcançar o patamar mínimo de 1% da despesa pública, prevista em Orçamento do Estado, para a política cultural”, lê-se na proposta de aditamento ao Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), entregue hoje na Assembleia da República.

OE2019: PS propõe alargar alívio dos cortes às pensões antecipadas no Estado

“Até ao final do 1.º semestre de 2019, o Governo apresenta os projetos legislativos, procedendo às devidas adaptações, necessários ao alargamento do novo regime de flexibilização da idade de acesso à pensão, previsto no artigo 90.º, designadamente ao regime convergente”, lê-se na proposta dos socialistas.
Comentários