Augusto Santos Silva: “O pior dos cenários é uma saída do Reino Unido sem qualquer acordo”

Para Santos Silva, “o pior dos cenários é a saída sem qualquer acordo, por isso, tudo o que contribua para evitar esse cenário terá o apoio de Portugal”.

Cristina Bernardo

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, defendeu esta terça-feira que a principal preocupação de Portugal é prosseguir a preparação para qualquer cenário do ‘Brexit’, incluindo a ausência de acordo, que “hoje é mais possível” do que ontem.

“Essa é a nossa preocupação número um, continuarmos a prepararmo-nos, seja ao nível dos direitos dos cidadãos, seja ao nível do apoio às nossas empresas, seja ao nível do apoio ao nosso turismo, para o cenário que hoje é mais possível do que era ontem de um ‘Brexit’ sem acordo”, sustentou Augusto Santos Silva em declarações à Lusa.

Após o chumbo do Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia pelo parlamento britânico, o chefe da diplomacia portuguesa sublinhou que “é cada vez mais claro quão importante” é o país estar preparado “para todos os cenários, incluindo um cenário de uma saída do Reino Unido sem acordo”. “Ao mesmo tempo, estarmos e continuarmos disponíveis para dar o nosso acordo para todas as iniciativas que sejam necessárias do lado europeu para que o Reino Unido possa operar a saída da União Europeia da forma mais organizada e ordeira possível”, afirmou.

Para Santos Silva, “o pior dos cenários é a saída sem qualquer acordo, por isso, tudo o que contribua para evitar esse cenário terá o apoio de Portugal”. “Seja coordenadamente em Bruxelas, seja em cada um dos parlamentos nacionais, criamos e aplicamos planos de contingência para evitar que no dia 29 de março houvesse qualquer espécie de rutura, nos transportes aéreos, na circulação das pessoas e por aí fora”, vincou.

Questionado sobre o efeito de possíveis eleições antecipadas nas negociações – um pedido feito pelo líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn -, Augusto Santos Silva referiu que essa matéria é do domínio da “política interna britânica”.

A União Europeia ficou dececionada com o chumbo do Acordo de Saída do ‘Brexit’ no parlamento britânico, mas revelou que os 27 estão disponíveis a considerar um adiamento da saída do Reino Unido, consoante os motivos evocados por Londres.

“Lamentamos o desfecho da votação e estamos dececionados por o governo britânico não ter conseguido assegurar a maioria necessária para aprovar o Acordo de Saída firmado entre as partes em novembro”, pode ler-se num comunicado veiculado, quer pela Comissão Europeia, quer pelo Conselho Europeu, minutos após o novo chumbo do texto na Câmara dos Comuns.

Na nota, a que a Agência Lusa teve acesso, a UE vinca que fez “tudo o que podia para ajudar a primeira-ministra a garantir que o Acordo – que ela negociou e firmou com a UE – fosse ratificado”.

O parlamento britânico voltou a chumbar o Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia (UE), com 391 votos contra e 242 votos a favor. O texto ontem negado na Câmara dos Comuns incluía garantias adicionais em relação à versão rejeitada em janeiro, de que o mecanismo para evitar uma fronteira na Irlanda do Norte não seria uma solução permanente. Após a votação, a primeira-ministra britânica, Theresa May, repetiu que este acordo era “o único e, por isso, o melhor acordo possível”.

Os deputados britânicos votarão esta quarta-feira sobre se o Reino Unido deverá sair da UE sem acordo na data marcada, 29 de março, ou se há de pedir a Bruxelas um adiamento da saída. O principal ponto de discórdia sobre o Acordo de Saída negociado com Bruxelas é a solução de último recurso para a fronteira irlandesa, comummente conhecido por ‘backstop‘, e que os eurocéticos rejeitam por deixar o país “indefinidamente” numa união aduaneira.

O ‘backstop‘ prevê a criação de “um espaço aduaneiro único” entre a UE e o Reino Unido, no qual as mercadorias britânicas teriam “um acesso sem taxas e sem quotas ao mercado dos 27” e que garantiria que a Irlanda do Norte se manteria alinhada com as normas do mercado único “essenciais para evitar uma fronteira física”.

Esta solução de último recurso só seria ativada caso a parceria futura entre Bruxelas e Londres não ficasse fechada antes do final do período de transição, que termina a 31 de dezembro de 2020. A qualquer momento após o final do período de transição, a UE ou o Reino Unido podem considerar que o mecanismo já não é necessário, mas a decisão terá que ser tomada em conjunto.

Ler mais
Recomendadas

PS: Pedro Marques poupa palavras no metro de Lisboa mas reforça convicção na vitória

No nono dia de campanha do PS, Pedro Marques elegeu os passes sociais para apelar ao voto nas eleições europeias. Entre o desinteresse e a incerteza de quem passava, o ex-ministro promoveu a medida de reduzir o custo dos passes sociais e ouviu queixas. Mas não se alongou muito e optou por fazer a viagem quase sem falar com os passageiros.

Paulo Sande: “Vamos eleger dois eurodeputados do Aliança e será bom para o país ter uma nova atitude na Europa”

O cabeça-de-lista do novo partido Aliança expressa a sua confiança na obtenção de um bom resultado nas eleições europeias, sublinha a importância de “encontrar um equilíbrio” entre o federalismo e o soberanismo, propõe “deputados-sombra” para assegurar um maior escrutínio e quer que todas as normas europeias sejam avaliadas do ponto de vista do impacto ambiental.

Líder Trabalhista diz que não apoiará nova proposta de acordo de May

Theresa May apresentou hoje uma nova proposta para um acordo do ‘Brexit’, que levará ao Parlamento no próximo dia 03 de junho, mas precisa de uma maioria de deputados Conservadores e Trabalhistas para atingir o objetivo. Corbyn recusa “apoiar uma versão reaproveitada do antigo acordo”.
Comentários