Aumentar Função Pública custa 300 milhões de euros

Os sindicatos esperam que seja cumprido o caderno negocial e esperam, nesse contexto, poder vir a negociar aumentos salariais.

Um aumento dos salários da Função Pública em 2019, em linha com a inflação prevista (1,4%), representaria uma subida na fatura de despesa com pessoal na ordem dos 300 milhões de euros. Os sindicatos esperam que seja cumprido o caderno negocial e esperam, nesse contexto, poder vir a negociar aumentos salariais, avança o “Jornal de Notícias”.

“Se não houver resposta, haverá luta”, afirma a Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap). Os sindicatos voltam a sair à rua a 1 de maio (Dia do Trabalhador), depois de o primeiro-ministro, António Costa, ter considerado que é “extemporâneo” falar do tema “em abril de 2018”, o que foi interpretado como um sinal de falta de abertura para o descongelamento das progressões.

O Partido Social Democrata (PSD) já veio dar razão aos sindicatos, afirmando que, se há dinheiro para injetar na banca, também há para aumentar os funcionários públicos. O Bloco de Esquerda (BE) e o Partido Comunista Português (PCP) também já vieram dizer que o próximo ano deve marcar uma diferença e ir além no descongelamento  de salários.

Relacionadas

Centeno não rejeita aumentos salariais na função pública em 2019

Em entrevista à TSF, o ministro das Finanças explicou que o descongelamento de carreiras irá continuar, acompanhado de um programa de recrutamento para áreas que têm estado “muito fechadas”.

António Costa admite possibilidade de aumentos na função pública em 2019

Em declarações transmitidas pela SIC Notícias, Costa disse que “o assunto será discutido na altura certa e sentado à mesa com a companhia certa”.
Recomendadas

China chama embaixador dos EUA após sanções impostas contra o Exército

Em causa estão a sanções impostas pelo Governo norte-americano ao Equipment Development Department (EDD), responsável pelas armas e equipamentos do exército chinês, e ao seu diretor, Li Shangfu, por ter comprado armamento à empresa Rosoboronexport, exportadora russa de armamento, que já havia sido sancionada por Washington.

Marcas ocidentais perdem terreno nas preferências dos consumidores chineses

Enquanto a Apple, IKEA, Nike ou BMW perdem popularidade, marcas chinesas como a Alipay, Huawei ou Taobao sobem no índice de preferência dos consumidores.

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.
Comentários