Aumento de capital da Oi até junho. Pharol dilui participação para 7,66%

A Pharol, que detém 22,24% da Oi através da sua subsidiária Bratel, passará a deter 7,66% após a conversão da dívida.

Ler mais

A operadora brasileira Oi, em recuperação judicial, garantiu hoje que o resultado líquido da companhia relativo a 2018 “voltará a ser positivo”, após prejuízos de 6,4 mil milhões de reais (1,5 mil milhões de euros) no ano passado.

“Em 2017, o efeito acumulado dos ativos […] implicou um património líquido negativo, mas com os ajustes previstos para 2018, com a reestruturação da dívida e a conversão em capital, o património líquido da companhia voltará a ser positivo”, garantiu o diretor financeiro da Oi, Carlos Brandão, numa conferência telefónica com jornalistas sobre os resultados do ano passado.

O responsável precisou que as “duas etapas principais que separam a Oi” do aumento de capital são “o reconhecimento do plano de recuperação judicial da companhia nas subsidiárias” e a “conversão da dívida em ações”.

E “estarão concluídas ainda no primeiro semestre”, estimou Carlos Brandão, referindo que o aumento de capital deverá rondar os quatro mil milhões de reais (956 milhões de euros).

Segundo a informação enviada ao mercado no Brasil e hoje publicada no ‘site’ da Oi e divulgada em Portugal pela Pharol (principal acionista), o prejuízo atribuído aos acionistas da Oi passou de 8,0 mil milhões de reais (1,9 mil milhões de euros) em 2016 para perdas de 6,4 mil milhões de reais (1,5 mil milhões de euros) no ano passado, baixando 20,7%.

Por seu lado, a receita líquida total foi de 23,790 mil milhões de reais (5,7 mil milhões de euros), caindo 8,5% face ao resultado do ano anterior, que tinha sido de 25,9 mil milhões de reais (6,2 mil milhões de euros).

O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) também diminuiu 6,8% de 6,7 mil milhões de reais (1,6 mil milhões de euros) em 2016 para 6,2 mil milhões de reais em 2017 (1,48 mil milhões de euros).

Em sentido inverso, a dívida líquida aumentou 18%, passando de 40,3 mil milhões de reais para 47,6 mil milhões de reais.

Também o investimento subiu, tanto no Brasil como fora, sofrendo um acréscimo de 16% devido essencialmente à aposta em infraestruturas: era de 4,9 mil milhões de reais em 2016 e passou para 5,7 mil milhões de reais no ano passado.

De acordo com Carlos Brandão, o ano de 2017 representou o “encerramento de um capítulo importante de reestruturação da dívida, abrindo um novo capítulo para 2018 que é o da reestruturação do negócio”.

Para isso, segundo o responsável financeiro, a Oi vai continuar a investir em áreas como a cobertura móvel e a banda larga.

“A solução para continuar a crescer é acelerar os investimentos”, sustentou, falando em montantes que deverão ascender aos sete mil milhões de reais (1,7 mil milhões de euros) este ano.

Intervindo na ocasião, o presidente da Oi, Eurico Teles, notou que “2017 foi um ano tenso e de muitas mudanças”, no qual a Oi “se voltou para dentro e se concentrou nas suas operações”.

“Vamos agora continuar a trabalhar com uma energia total para criar uma nova Oi”, assegurou, adiantando que a operadora “sairá fortalecida da recuperação judicial”.

A Oi está num processo de recuperação desde 2016 com o objetivo de reduzir o passivo da empresa, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (cerca de 16 mil milhões de euros).

O Plano de Recuperação Judicial propõe-se a reduzir o passivo da empresa através da conversão de 72,12% da dívida suportada pelos credores, aos quais serão concedidos direitos sobre a companhia.

A Pharol é acionista de referência da Oi, com 27% das ações. A concretizar-se a operação, a Pharol deverá passar a deter uma participação menor.

Segundo noticia hoje a publicação brasileira Valor Económico, a Pharol, que detém 22,24% da Oi através da sua subsidiária Bratel, passará a deter 7,66% após a conversão da dívida.

Relacionadas

Pharol tomba 4,62% após credores da Oi ficarem com 72% da empresa

A bolsa portuguesa ganha 0,12%, para 5.472,21 pontos, a meio da sessão, impulsionada pela valorização do ‘peso-pesado’ BCP.

Pagamento aos credores da Oi com ações dilui 72% da participação dos atuais acionistas

A portuguesa Pharol e as sociedades de Nelson Tanure serão os principais afectados. Segundo a empresa, essa percentagem de diluição está sujeita a fatores como o resultado do exercício do direito de preferência pelos atuais acionistas da Oi.
Recomendadas

Avanços da Mercadona em Portugal não surpreendem

O anúncio de expansão da Mercadona em território nacional veio “agitar as águas”, abrindo a porta à reflexão sobre esta presença, mas também sobre o peso que assumem hoje as insígnias espanholas na distribuição portuguesa.

Marcas ocidentais perdem terreno nas preferências dos consumidores chineses

Enquanto a Apple, IKEA, Nike ou BMW perdem popularidade, marcas chinesas como a Alipay, Huawei ou Taobao sobem no índice de preferência dos consumidores.

Preços da eletricidade e gás em Espanha e Portugal são dos mais caros da União Europeia

No segundo semestre de 2017, a Espanha foi o sexto país da União Europeia com eletricidade mais cara (Portugal foi o quinto), segundo dados compilados pelo Eurostat. No topo desta tabela destacam-se a Alemanha, a Dinamarca e a Bélgica.
Comentários