PremiumAurélia Sousa: “É esta era pós digital que pode permitir diferenciação no mercado”

A managing director da Accenture Technology explica como o “Poder Darq” é uma das tendências tecnológicas que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas.

Tecnologia como Distributed ledgers, Inteligência Artificial, Realidade Aumentada e Computação Quântica (DARQ). Estes são catalisadores de mudança, oferecendo capacidades permitindo aos negócios reconfigurar por completo o seu setor de atividade. Quando foi solicitado aos executivos que participaram no estudo da Accenture Technology Vision 2019, que classificassem qual destas tecnologias terá um maior impacto na sua organização nos próximos três anos, 41% dos executivos colocou a IA em primeiro lugar – mais do dobro de qualquer outra tecnologia DARQ.

O que significa esta tendência tecnológica chamada Poder Darq?

Durante vários anos andámos a dizer que todo o negócio é um negócio digital. Hoje constatamos que efetivamente é muito difícil pensar um negócio sem que tenha uma parte de tecnologia e de digitalização. Os que não o têm ainda estão claramente a ficar para trás nas suas áreas. Então, o que é que precisamos de fazer para sermos diferenciadores numa era pós digital? É essa era pós digital, que se for bem pensada e utilizada, pode ainda permitir dar grandes saltos quantitativos de diferenciação no mercado. Aliar estas tecnologias mais disruptivas do Darq àquelas que já existiam poderá transformar toda a experiência das entidades que interagem nas organizações. Todo o ecossistema de interlocutores pode ser muito impactado pela implicação destas tecnologias.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Suborno, corrupção e o retrato de Dorian Gray

No que à gestão diz respeito este não é um tema menor, alheio aos deveres de um gestor diligente, porque também na gestão deste risco “a sorte não existe. Aquilo a que chamas sorte é atenção aos detalhes”.

João Massano candidata-se a presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados

O advogado vai apoiar e integrar a candidatura de António Jaime Martins a bastonário. “A valorização do advogado, individualmente, e da advocacia, no seu todo, promove-se através da formação e da partilha de experiências multidisciplinares, que trazem à classe uma atualização dos temas e das questões legais que estão na ordem do dia”, defende.

Conselho de Deontologia da Ordem está a analisar recurso polémico de Pedro Proença

Órgão disciplinar da Ordem dos Advogados está a analisar o caso que envolve o advogado Pedro Proença, que pediu o afastamento de uma juíza num processo de violação, por ser “mulher e certamente mãe”.
Comentários