Autor de mensagem colocada numa garrafa e atirada ao mar há 50 anos foi encontrado

A garrafa foi atirada ao mar quando o inglês Paul Gilmore tinha 13 anos e estava a bordo de um cruzeiro na Austrália.

O autor da mensagem encontrada dentro de uma garrafa que foi atirada ao mar há 50 anos e recentemente encontrada foi encontrado.

A notícia avançada pela rede de televisão pública da Austrália ABC (Australian Broadcasting Corporation), conta que o pescador Paul Elliot encontrou a garrafa na costa oeste da Península de Eyre, no sul da Austrália, enquanto pescava com o seu filho Jyah.

Elliot relatou que desde então procurava o autor da mensagem – Paul Gilmore -, que se descreveu no bilhete como um rapaz britânico de 13 anos que viajava com a família num navio ao longo da costa sul da Austrália, de Fremantle a Melbourne. De acordo com o pescador, no topo do manuscrito vinha o nome da empresa de cruzeiros Sitmar Line  e a data 17 de novembro de 1969.

Na nota, o adolescente escreveu que estava a viajar a bordo do Fairstar, um navio que trouxe muitos migrantes britânicos para a Austrália durante a década de 1960.

Agora parece que o autor do documento foi encontrado. De acordo com a irmã Annie Crossland, o irmão encontra-se novamente no mar, a bordo de um cruzeiro no mar Báltico. Crossland contou que lembra-se de ter visto o irmão escrever cartas e colocando-as em garrafas e revelou ter visto Elliot atirar cerca de seis mensagens ao oceano.

Quanto à garrafa encontrada, disse: “É absolutamente incrível”, afirmou. Também à ABC, outro dos irmãos de Paul Gilmore, David disse ter tido acesso à mensagem e confirmado que se trata, de facto, da caligrafia do seu irmão.

Contudo, existem alguns cépticos. Questionado sobre o assunto pela ABC, o oceanógrafo David Griffin disse que seria impossível a garrafa ter-se mantido à tona durante 50 anos “porque o oceano nunca está parado”. O mais provável, acrescentou, é que tenha estado enterrada durante vários anos e depois voltado ao mar durante uma tempestade.

Ler mais
Recomendadas

Espiões russos usaram os Alpes franceses como base para ataques em vários países

Os agentes suspeitos do homicídio de Sergei Skripal no Reino Unido em 2018 passaram por esta região. No total, passaram pelos Alpes 15 operacionais da unidade 29155 da agência de espionagem russa GRU.

Cidade versus campo: Tribunal francês dá razão a 60 patos considerados “barulhentos”

O vizinho argumentou que não conseguia dormir com as janelas abertas, mas o tribunal considerou que estavam asseguradas as devidas distâncias entre as duas propriedades.

FMI aprova segunda fase do programa de Angola e ‘dá’ 222 milhões de euros

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou hoje o pagamento de 247 milhões de dólares a Angola, no seguimento da aprovação da segunda avaliação do programa de ajustamento financeiro, num total de 3,7 mil milhões de dólares.
Comentários