Autor
António Vasconcelos Moreira
amoreira@jornaleconomico.pt
Artigos
Nikolay Storonsky e Vlad Yatsenko, fundadadores da Revolut

Ronda de financiamento avalia Revolut em mais de cinco mil milhões de euros

A Revolut levantou 462 milhões de euros na ronda de financiamento série D, onde obteve uma avaliação de 5,08 mil milhões, numa altura em que o banco digital prossegue os esforços para passar a conceder crédito em todos os mercados em que opera. No entanto, ainda não tem data definida para o fazer.

Wall Street contagiada pelo Covid-19. Ganhos de 2020 foram anulados num dia

O petróleo também está a cair. Em Londres, o barril de Brent, referência para a Europa, tomba 4,12%, estando a negociar nos 55,55 dólares. Já o West Texas Intermediate, nos Estados Unidos, desvaloriza 3,97%, para 51,26 dólares.

FIFA procura mil milhões de dólares para organizar Mundial de Clubes em 2021

No mês passado, deslocaram-se a Zurique representantes de clubes europeus, como o Liverpool, a Juventus e o Barcelona, na qual foi discutida a criação de uma ‘joint-venture’ entre a FIFA e a Associação Europeia de Clubes. A intenção deverá ter sido a elevar o estatuto na competição dos clubes que são membros da Associação, acima do estatuto de equipas que são membros de outras cinco confederações regionais.

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação dos diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.

PremiumVenda do BNI Europa aguarda fecho das contas de 2019

Negócio deverá ficar fechado no primeiro trimestre de 2020. O banco apesenta contas anuais em março.

Premium‘Dotcom’ 2.0? Disparo das tecnológicas norte-americanas evoca traumas

Excesso de liquidez no mercado é a “mão” que suporta o valor “insustentável” das ações das tecnológicas norte-americanas, alertam analistas. Não são os castelos no ar do final do século XX, mas arrefecimento económico pode fazer rebentar a bolha.
Ver mais artigos