Autor
Diogo Goes, Professor do Ensino Superior e Diretor de Eventos
Artigos

Cultura em tempos de engate

Persiste a falta de dotação financeira dos museus e de maior autonomia na gestão e programação. Persistem as necessidades veementes de conservação e restauro dos acervos e coleções e da dotação de mais recursos humanos, com a devida formação técnica especializada.

Entre o mundo que queremos e o champanhe derramado, a sabedoria do Amor triunfa e nada omite

A superficialidade e a alegoria da materialidade subjacente à condição humana moderna, ou a “objetualização da existência”, traduziu-se numa incessante procura por bens (de consumo), por antítese à procura de valores (de princípios).

Entre os “foguetes” e o poeta

Prefiro os poetas deste povo, mesmo que utópicos, mas que não se deixam fascinar por uma qualquer elite que os governa, como se achassem normal e as legitimassem num sentido medieval. Não acredito, nem aceito que uma sociedade, sendo democrática, não seja inteira e seja submissa à hegemonia do dominador sobre o dominado.

Zelotas de uma qualquer “Regeneração”

Por isso, hoje e para o futuro, desta vez mais se invista, naquilo que não é aparentemente tão visível, mas inteligível: insisto na Educação, no Conhecimento, na Cultura.

Um Tesouro num vaso de barro

Tantas são as vezes que nos esquecemos ou simplesmente não nos apercebemos disto mesmo, que todo o conhecimento humanista, que a História, como as expressões artísticas têm como principal objectivo, estimular o espírito crítico e a reflexão, primeiro sobre o passado, tornando-o inteligível; depois sobre o presente, tornado-o questionável; e depois sobre qual o futuro que verdadeiramente queremos, lembrando-nos de que somos capazes de sonhar!

O Amor faz-nos mais humanos

Porque, o que verdadeiramente importa são as pessoas, mais Cultura, mais Educação, mais Conhecimento será sempre a resposta ao ódio, à xenofobia, à exclusão; à guerra.
Ver mais artigos