Autor
Élvio Sousa, Deputado JPP
Artigos

A promessa não cumprida da ligação anual ferry

Com a entrada em campo do vice-presidente Pedro Calado, rapidamente uma operação anual prometida, passou a sazonal. Passados 4 meses, e acabado de chegar ao Governo, Pedro Calado contradiz e “cala” claramente Miguel Albuquerque, afirmando que não se justifica ter um ferry a operar durante todo o ano

Onde é gasto o nosso dinheiro?

O orçamento da Região Autónoma da Madeira padece de 607 milhões para o serviço da dívida (406 milhões de amortização e 201 milhões de juros) e de 132,8 milhões para as parcerias público-privadas (PPP’s). Os cidadãos estão a pagar aproximadamente 363,835 euros ao dia para fazer face às PPP’s, que no total custarão mais de 2,5 mil milhões de euros.

Portos: presidente do governo promete, vice-presidente recua

A verdadeira reestruturação estaria iniciada se o Governo Regional da Madeira salvaguardasse os riscos de monopólio para a Região, precavendo os rendimentos excessivos face aos congéneres do Continente, que pagam renda pela utilização do espaço e pagam pela sua manutenção.

Preço da eletricidade mais baixo

Tabelar a eletricidade com uma taxa normal de IVA foi uma atitude de total insensibilidade social, num período de elevadas dificuldades, tendo presente também que essa alteração fiscal afetou, também, o tecido empresarial, com o aumento dos custos de contexto e o preço de elevado número de bens.

Afinal quanto gastou o governo com o novo hospital?

Em matéria de números, existem histórias mal contadas, por exemplo em relação ao processo do Novo Hospital, e que é do domínio do conhecimento dos governantes e de alguns jornalistas, que se silenciam… Vejamos. O JPP requereu ao Governo um conjunto de comprovativos de pagamento sobre o processo do Novo Hospital e os números não batem certo. O vice-presidente do Governo Regional revelou, em sede de Assembleia Legislativa da RAM, em novembro de 2017, que o Governo já investiu 8,2 milhões no projeto do Novo Hospital. Recibos somados mostram, todavia, que o Governo executou, entre 2007 e 2017, apenas 4,9 milhões, ficando a faltar 3,3 milhões, não executados.

A vergonha da mobilidade: “Porque não te calas?”

Por mais que se queira, no day after, minimizar o teor das declarações da semana da Páscoa, sobre as mudanças a ocorrer no subsídio de mobilidade, as intenções ficaram bem claras.
Ver mais artigos