Autor
Gabriel Leite Mota, Economista, Doutorado em Economia da Felicidade
Artigos

A indevida (e insustentável) riqueza dos 1%

Aceitar as acumulações de riqueza e rendimento de hoje é aceitar a perpetuação de círculos fechados de poder nas mãos de poucas famílias à escala mundial.

As consequências de adoptar o FIB

Defendo uma clara mudança de paradigma em que o PIB passe a ser subalternizado face à Felicidade Interna Bruta. A ciência já provou que apostando só no PIB não conseguimos aumentar a felicidade.

Por Orçamentos do Estado para a felicidade

Muitas medidas orçamentais são classificadas como boas para o país quase por ‘achismo’. Analisa-se o impacto do OE nas variáveis financeiras, mas não se medem os verdadeiros impactos no bem-estar.

Clima, uma causa certa

Por mais que muitos não gostem da cara de Greta, do seu tom combativo e dos seus raspanetes de baixo para cima, ela é apenas um sintoma. A causa é um planeta que está em emergência climática.

Descentralizar a sério, pela felicidade

Se o Estado não for uma força centrípeta em direção à capital, o mercado também o não será. O mercado tenderá a acompanhar as forças centrípetas locais.

Distribuir trabalho e rendimentos

Apostar-se em novas contratações por força da redução do horário laboral é uma medida urgente, justa e promotora de inovação e produtividade.
Ver mais artigos