InícioNotícia escrita porJoão Marcelino

jmarcelino@jornaleconomico.pt

O sucesso estendeu-se ao domínio das audiências televisivas. Veja-se que o jogo entre Braga e Benfica (1-3) foi o programa mais visto na manhã de sábado passado, nas televisões por cabo em Portugal. Teve uma audiência média de 96 mil pessoas e um 'share' de 5,6 por cento.

Em Portugal, a esquerda da esquerda tem direito a evolução, tanto ideológica como de compreensão civilizacional. A direita da direita não tem o mesmo benefício de indulto histórico e mudança de agenda.

Infelizmente, uma frase de João Cravinho continua atual: "Fui travado de todas as maneiras e feitios. Não havia vontade política para combater a corrupção”.

Não é uma fatalidade ver a política e os meios judiciais do mundo que fala português entregues ao despudor e ao conluio com criminosos. Não tem de ser eternamente assim.

É incompreensível que a Autoridade da Concorrência tenha permitido que o antigo monopólio da Olivedesportos, depois participado pela NOS, se tivesse transformado num oligopólio em que se juntam também a Altice (MEO) e a Vodafone

Resumindo: o cidadão Ricardo Robles, pelo menos que se saiba, não fez nada de ilegal nem criminoso; o político Ricardo Robles, provado neste caso como um hipócrita, tinha de abandonar os seus cargos, no partido e na Câmara de Lisboa (três dias depois de ter dito que não o faria...) e, assim, aliviar a pressão sobre o BE

Não há fogos de esquerda e/ou de direita. Há fogos! Há tragédias! E estas, no caso português, se insistimos sempre em ter "culpados", são responsabilidade de vários governos e partidos

Os 13 conselheiros do TC, nomeados pelos partidos na AR, deixaram prescrever os prazos de coimas a esses mesmos partidos por irregularidades face à lei do financiamento partidário. E não sentem que têm explicações a dar?