Autor
Renato Miguel do Carmo, Professor associado do ISCTE
Artigos

A morte como mercadoria fictícia

A morte desincrustou-se da ritualidade relacional e do simbólico e foi tomada e colonizada por um enorme aparato técnico-burocrático e mercantilizado do qual ninguém consegue escapar. A morte não só se arreda da proximidade social e pessoal como se afasta do humano.

Soberanos do tempo (10)

É fundamental dar espaço e tempo ao tempo, para que este aconteça sem imposições prévias e direções pré-estabelecidas. Uma política do tempo não deverá recuar ao primeiro obstáculo.

Soberanos do tempo (9)

Estamos perante um progresso colossal, e ainda pouco apercebido, da instalação das condições para uma distopia política.

Soberanos do tempo (8)

Thomas Piketty foi o autor que mais brilhantemente demonstrou o peso determinante da herança dos recursos económicos na reprodução das desigualdades.

Soberanos do tempo (7)

Humanizar a humanidade é a única possibilidade que nos resta para não perder irremediavelmente o protagonismo e a soberania da nossa história coletiva. 

Soberanos do tempo (6)

Neste nosso gradual regresso precisamos de incorporar o “homem lento” que recusa a inevitabilidade de abandonar os seus próprios lugares à monotemporalidade externa e acelerada do capitalismo da economia de mercado global e total.
Ver mais artigos