Autoridade bolsista dos EUA quer destituir Elon Musk da presidência da Tesla

A autoridades bolsista dos EUA pediu a um tribunal federal para destituir Elon Musk da presidência e gestão da Tesla, acusando-o de fraude com declarações falsas sobre a retirada da empresa da bolsa.

O regulador (SEC, na sigla em Inglês) especificou na queixa apresentada na quinta-feira que Musk garantiu falsamente, num texto colocado na rede social Twitter em 07 de agosto, que tinha financiamento para comprar as ações cotadas a 420 dólares por ação, um substancial prémio em relação à cotação da altura.

Na queixa apresentada no Tribunal do Distrito de Manhattan afirma-se que Musk não discutiu nem confirmou os termos da operação com qualquer instituição que o pudesse financiar.

A SEC solicitou também uma ordem que impeça Musk de fazer declarações falsas e enganadoras, bem como que reembolse ganhos que tenha obtido e seja ainda multado.

Em declaração emitida pela Tesla, Musk considerou a ação da SEC injustificada: “Sempre agi em função dos melhores interesses da verdade, da transparência e dos investidores. Integridade é o valor mais importante da minha vida e os factos vão mostrar que eu nunca o comprometi”.

A queixa alega que a mensagem de Musk na rede social Twitter prejudicou os investidores que compraram títulos da Tesla depois da mensagem, mas antes de ser conhecida informação fiável sobre o financiamento da operação.

Derrubar Musk, que é uma celebridade com 22 milhões de seguidores no Twitter, pode ser difícil e iria prejudicar a empresa. O presidente da Tesla é visto como o líder e o cérebro por trás das operações da empresa nos carros elétricos e painéis solares.

Ler mais
Recomendadas

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Comentários