Aviões no Montijo aceleram venda da Lusoponte pela Teixeira Duarte

Construtora colocou à venda 7,5% na concessionária das pontes, esperando a valorização do ativo após decisão do Governo sobre o novo aeroporto.

A Teixeira Duarte (TD)colocou à venda a posição de 7,5% que detém na estrutura acionista da Lusoponte, concessionária das duas pontes sobre o Tejo na área metropolitana de Lisboa, soube o Jornal Económico junto de fontes ligadas ao processo. A decisão do Governo em escolher o Montijo para o futuro aeroporto de apoio à Portela fez acelerar a decisão da construtora nesta altura, soube o Jornal Económico, uma vez que a transformação da base aérea do Montijo em aeroporto com fins civis irá aumentar de forma significativa o tráfego na ponte Vasco da Gama e, dessa forma, valorizar as posições acionistas detidas na concessionária.

Num momento em que o mercado nacional de concessões rodoviárias tem estado muito dinâmico, com sucessivas mudanças de donos, poderá haver diversos interessados neste ativo, mas os restantes accionistas da Lusoponte terão sempre a prerrogativa de exercer o direito de preferência. O maior acionista da Lusoponte é a Mota-Engil, com 38% do capital, mas o Jornal Económico sabe que o grupo liderado por Gonçalo Moura Martins e por António Mota não está comprador desta posição da TD, embora pretenda manter a sua posição na concessionária das pontes 25 de Abril e Vasco da Gama, que vai até 2030.

O outro grande acionista da Lusoponte é o grupo francês Vinci, com uma posição de 37%. Se for a jogo, a Mota-Engil deixará de ser o maior acionista da Lusoponte. Além do grupo francês, que também é o concessionário dos aeroportos nacionais geridos pela ANA, o outro acionista da Lusoponte é a Atlantia, grupo italiano que descende da antiga Autostrade. Este parece ser o único ativo do grupo transalpino em Portugal, que nunca foi considerado um mercado estratégico para a Atlantia, pelo que são mais remotas as hipóteses de ser este o grupo comprador da posição da TD na concessionária das duas pontes.

Se não vender a sua posição dentro do círculo de membros da atual estrutura acionista da Lusoponte, a construtora liderada por Pedro Maria Teixeira Duarte terá de negociar esta alienação fora deste grupo, sabendo-se que neste momento, a nível internacional, existe muita liquidez e apetência por este tipo de participações acionistas, mesmo que se trate de uma posição acionista minoritária. Além de ‘private equities’, têm demonstrado grande dinamismo neste mercado, os fundos: de investimento,  de pensões e soberanos.

A decisão de venda da posição da TD na Lusoponte não surpreendeu o mercado. Além de ter vendido recentemente ativos noutras áreas, como a  energia, já em 2008, a empresa havia destacado no relatório e contas relativo ao primeiro semestre desse exercício, a intenção de alienar esta participação. Seria uma forma de minorar as perdas que a construtora começava na altura  a avolumar devido às imparidades registadas no BCP. E desde aí, a TD, nos relatórios e contas dos vários exercício até 2015, sempre registou contabilisticamente este ativo na rubrica de ‘Outros Investimentos’, ‘Ativos financeiros para venda’, tendo sido contabilizado entre 5,456 e 5,606 milhões de euros. Nesses relatórios, a TD explica que “esta rubrica inclui, essencialmente, investimentos em instrumentos de capital próprios que não têm um preço de mercado cotado e cujo justo valor não pode ser fiavelmente mensurado”, acrescentando que estes ativos estão avaliados “pelo seu custo de aquisições”.
Embora em rota descendente, o Jornal Económico apurou que a TD tem encaixado dividendos da concessionária das pontes todos os anos, de 2010 a 2015, único período de que existem relatórios e contas disponíveis no site oficial da construtora. Um total de 3,172 milhões de euros em seis anos.

Em 2008, quando ocorreu a última mudança acionista na Lusoponte, a Mota-Engil pagou 88 milhões de euros para adquirir aos australianos da MacQuarie uma posição de 24,19% no capital da Lusoponte. Se aplicássemos esse valor à posição da TD na concessionária, estaríamos a falar de cerca de 27,3 milhões de euros. Mas já passaram 10 anos, com a inerente inflação, além da decisão do aeroporto do Montijo ter valorizado de forma significativa este ativo.

Em 2015, último ano de que existem dados disponíveis, segundo a APCAP – Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens, a Lusoponte teve um tráfego médio diário de 76.374 veículos, gerando uma receita de 76,4 milhões de euros.

Até ao fecho da edição não foi possível obter um comentário da TD.

Ler mais
Recomendadas

Greve na Transtejo/Soflusa desconvocada

A paralisação, agendada para a partir de terça-feira, foi hoje suspensa, na sequência da subscrição de um protocolo negocial entre a administração da empresa e os sindicatos.

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.
Comentários