Aviso a Pyongyang: EUA e Coreia do Sul já simulam ataque contra a Coreia do Norte

“Não importa quando, como e onde o inimigo provoque, nós vamos responder de forma perfeita para fazer a Coreia do Norte se arrepender e sentir uma insuperável sensação de medo”, afirmou o chefe do Comando de Operações da Força Aérea da Coreia do Sul.

KCNA/via REUTERS

Dois bombardeiros norte-americanos e caças militares da Coreia do Sul realizaram esta quinta-feira exercícios militares conjuntos, dois dias depois de a Coreia do Norte ter disparado um novo míssil, que sobrevoou o Japão. As manobras militares da coligação tiveram como finalidade simular um eventual ataque contra instalações nucleares da Coreia do Norte e enviar um claro aviso ao líder norte-coreano, Kim Jong-un.

“Não importa quando, como e onde o inimigo provoque, nós vamos responder de forma perfeita para fazer a Coreia do Norte se arrepender e sentir uma insuperável sensação de medo”, afirmou Won In-chul, chefe do Comando de Operações da Força Aérea da Coreia do Sul, garantindo que as forças aéreas da coligação são capazes de “realizar operações combinadas perfeitas”.

Os exercícios militares acontecem dois dias depois de Pyongyang ter disparado na madrugada de terça-feira um míssil balístico que sobrevoou o norte do Japão e terá caído em águas japonesas, a 1180 quilómetros a leste da ilha de Hokkaido. Em reação ao lançamento, o líder da Coreia do Norte mostrou “grande satisfação” e incentivou a novas incursões balísticas.

Ao “prelúdio significativo” para conter o território norte-americano de Guam no Pacífico de Kim Jong-un, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, respondeu o “desprezo do país pelos vizinhos” tem contribuído para isolar ainda mais o país e alerta que “todas as opções estão em cima da mesa”. Donald Trump acrescentou ainda que “falar não é solução”, levando os analistas a prever uma escalada na tensão entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.

Relacionadas

A ameaça da Coreia do Norte e os mercados

Espera-se uma valorização de ativos considerados seguros e de refúgio num cenário de crise, nomeadamente o Ouro e Obrigações do Tesouro de países como a Alemanha e os EUA.

Para Kim Jong-un ver: EUA intercetam com sucesso míssil de teste no Havai

As manobras de teste norte-americanas e nipónicas surgem depois de o líder da Coreia do Norte ter mostrado “grande satisfação” com o lançamento balístico que na madrugada de terça-feira colocou o Japão e toda a região em alerta.

“Falar não é a solução”. Trump rejeita conversações pacíficas com Coreia do Norte

O republicano diz que o problema nuclear da Coreia do Norte não se resolve com conversações entre as duas partes, reafirmando que “todas as opções estão em cima da mesa”.

Reino Unido e Japão reunidos para discutir futuro da Coreia do Norte

A primeira-ministra britânica está numa visita de Estado ao Japão, apenas 36 horas depois do provocativo lançamento de um míssil por parte do país comunista, à ilha japonesa Hokkaido.
Recomendadas

China cancela negociações comerciais e não vai deslocar-se até Washington

Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg. O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação.

EUA denunciam repressão de Pequim contra minoria muçulmana

Os Estados Unidos denunciaram esta sexta-feira o tratamento por parte de Pequim em relação à minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigure, que sofrem de detenções arbitrárias, tortura ou vigilância permanente, na região de Xinjiang.

Hong Kong inaugura nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China

Hong Kong inaugurou este sábado uma nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China, que irá reduzir consideravelmente o tempo de viagem entre os dois territórios, sendo que parte da estação fica sob jurisdição chinesa.
Comentários