Azeredo Lopes demite-se para poupar Forças Armadas de “ataque político”

O ministro cessante voltou a negar que tenha tido conhecimento, “direto ou indireto, sobre uma operação em que o encobrimento se terá destinado a proteger o, ou um dos, autores do furto”, em carta do até agora ministro da Defesa para António Costa.

António Cotrim/Lusa

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, demitiu-se hoje do Governo para evitar que as Forças Armadas sejam “desgastadas pelo ataque político” e pelas “acusações” de que disse estar a ser alvo por causa do processo de Tancos.

“Não podia, e digo-o de forma sentida, deixar que, no que de mim dependesse, as mesmas Forças Armadas fossem desgastadas pelo ataque político ao ministro que as tutela”, referiu Azeredo Lopes, na carta enviada ao primeiro-ministro e a que a agência Lusa teve acesso.

O ministro cessante voltou a negar que tenha tido conhecimento, “direto ou indireto, sobre uma operação em que o encobrimento se terá destinado a proteger o, ou um dos, autores do furto”.

Quanto ao momento em que decidiu sair, Azeredo Lopes explicou que quis aguardar pela finalização da proposta de Orçamento do Estado para 2019 para “não perturbar” esse processo com a sua saída.

Recomendadas

OE2019: Ministro das Finanças diz que país terá cinco novos hospitais

Na apresentação do Orçamento de Estado de 2019, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse que a “saúde é prioridade” e avançou que, no próximo ano, o país terá cinco novos hospitais.

Governo prevê 50 milhões de euros para aumentos na Função Pública

Neste orçamento, o Executivo prevê um total de 800 milhões de euros para remunerações na Administração Pública. Os números foram avançados esta terça-feira pelo ministro das Finanças, que considera “um esforço enorme no orçamento sobre as remunerações dos funcionários públicos”.

Mário Centeno: OE2019 “define um marco histórico para Portugal”

O ministro das Finanças apresenta esta terça-feira ao país, em conferência de imprensa, o Orçamento do Estado para 2019.
Comentários