Bairrada atingiu a marca de sete milhões de garrafas de espumantes em 2018

A Bairrada tem atualmente cerca de 2.400 produtores vinícolas, que exploram 6.500 hectares de vinha, de acordo com os registos da Comissão Vitivinícola da Bairrada (CVB).

Faça lista das ementas

A produção de espumantes na região demarcada da Bairrada registou em 2018 um aumento de oito por cento, atingindo a marca de sete milhões de garrafas, disse hoje à agência Lusa a presidente dos Enófilos da Bairrada.

“Houve em 2018 um aumento da produção na ordem dos oito por cento nos espumantes, em relação ao ano anterior, marcando a tendência de elevada subida dos últimos anos”, revela a enóloga Célia Alves, primeira mulher a presidir à direção da Confraria dos Enófilos da Bairrada, gerente e diretora de produto nas Caves de São João e dirigente da associação Rota da Bairrada.

A enóloga lembra que a Bairrada lidera a produção de espumantes a nível nacional, com uma quota de marcado superior a 65%. Nos chamados vinhos tranquilos, tintos, brancos e rosados, a produção na Bairrada tem vindo também a aumentar, com as vendas mais orientadas para a restauração do que para a distribuição em grandes superfícies.

A Bairrada tem atualmente cerca de 2.400 produtores vinícolas, que exploram 6.500 hectares de vinha, de acordo com os registos da Comissão Vitivinícola da Bairrada (CVB). A produção de vinho espumante na Bairrada tem vindo a aumentar ano após ano, tendência confirmada oficialmente pelo aumento da venda na região demarcada dos selos de garantia do Instituto da Vinha e do Vinho.

Desde 2015, a Comissão Vitivinícola da Bairrada apostou fortemente no projeto Baga, definindo critérios para a consolidação de um espumante monovarietal feito a partir da casta Baga, dominante na região.

O projeto, a que aderiram numa primeira fase os enólogos de algumas da principais caves da região (Primavera, Aliança Messias; São João, Quinta do Encontro) e os produtores Luís Pato e António Selas, passa por criar um produto diferenciado com novas regras e uma identidade gráfica própria, a fim de promover a região no país e além-fronteiras.

Atualmente, conta com espumantes de duas dezenas de produtores. “A importância da casta Baga na valorização e diferenciação dos espumantes Bairrada é hoje uma realidade indiscutível”, refere a Comissão presidida por Pedro Soares.

Para o sucesso do projeto tem contribuído a divulgação feita pela Associação Rota da Bairrada. Com 52 associados, a associação promove ativamente as riquezas turísticas, gastronómicas e vinícolas da Bairrada, com destaque para as belezas do Luso e da Curia, os vinhos e o tradicional leitão assado à moda da Bairrada, propondo cinco roteiros turísticos numa região que abrange os concelhos de Águeda, Aveiro, Cantanhede, Coimbra, Mealhada, Oliveira do Bairro e Vagos.

Atualmente, a Rota dispõe de dois Espaço Bairrada, em Oliveira do Bairro e na sede na Curia (Anadia), havendo planos para abrir uma nova loja em Aveiro.

Ler mais
Recomendadas

Sardinha: Uma velha conhecida ainda chega a tempo dos Santos Populares

Desde meados de setembro de 2018 que os pescadores de Portugal e Espanha estão sem poder pescar sardinha, mas a interdição está quase a terminar. Os portugueses regressaram ao mar a partir de 3 de junho para apanharem um peixe emblemático, mas que tem perdido primazia no setor.

Delta Q entra na Polónia através de cadeia de supermercados da Jerónimo Martins

A marca de café em cápsulas do grupo Delta refere que vai, assim, passar a estar presente em 1.100 localidades na Polónia, através das 2.900 lojas da polaca Biedronka.

Nova marca ‘Cereais do Alentejo’ prevê faturar 2,5 milhões até 2021

Esta iniciativa da ANPOC prevê envolver cerca de dez mil toneladas de cereal, abrangendo uma área cultivada de mais de 3.300 hectares.
Comentários