Banca empresta 970 milhões para compra de habitação em setembro

Os montantes que os bancos têm concedido para compra de casa têm crescido, ainda que pouco, revelando o dinamismo que se mantém no mercado à habitação.

A taxa de juro média nas novas operações de crédito a particulares para compra de habitação atingiu mínimos históricos pelo segundo mês consecutivo, ao bater nos 0,92% em setembro, segundo os dados do Banco de Portugal dados a conhecer esta segunda-feira. O montante emprestado também voltou a subir, chegando, no mês em questão, aos 970 milhões de euros.

Os montantes emprestados em novos créditos para consumo foram de 388 milhões de euros, enquanto que para outros fins chegaram aos 183 milhões de euros. As taxas de juro médias nestes contratos foram de 6,63% e 3,20%, respetivamente.

Já nos depósitos, a taxa média dos novos contratos até um ano por sociedades não-financeiras ficou nos 0,04%, enquanto que para particulares a taxa se fixou nos 0,06%.

Recomendadas

“Mercados em Ação”. “Novo Banco? Se fosse em 2013, isto tinha rebentado com o mercado para Portugal”

Nesta edição do programa da JE TV, Shrikesh Laxmidas (diretor-adjunto do JE), Marco Silva (consultor de estratégia e investimento) e Pedro Lino, administrador da Optimize Investment Partners, analisaram o impacto do ‘travão’ parlamentar ao financiamento do Novo Banco.

BCE obriga bancos sistémicos a avaliarem antecipadamente o risco de incumprimento nos contratos em moratória

Há seis novas diretrizes do BCE aos bancos de importância sistémica e os CEO dos bancos têm de responder ao supervisor europeu até 31 de janeiro de 2021. O BCE diz que os bancos supervisionados devem realizar uma avaliação regular da improbabilidade de os créditos serem pagos, incluindo aqueles que estão protegidos pela moratória de pagamento, usando todas as informações relevantes e disponíveis.

Fusão do CaixaBank com o Bankia aprovada em assembleia geral

Criação do maior banco em Espanha está agora apenas dependente da aprovação das autoridades regulamentares competentes. Agência de notação financeira DBRS diz que os benefícios da fusão vão demorar tempo a serem atingidos e alerta para a deterioração do rácio de NPL do CaixaBank logo após a operação.
Comentários